Um organismo infectado pela síndrome da “encapotação” !!! Gerson Paulo.

UM ORGANISMO INFECTADO PELA SÍNDROME DA “ENCAPOTAÇÃO” !!! 

“A essência da propaganda é ganhar as pessoas para uma ideia de forma tão sincera, com tal vitalidade, que, no final, elas sucumbam a essa ideia completamente, de modo a nunca mais escaparem dela” (Joseph Goebbels). 

Nenhum partido até hoje conseguiu, como o PT, a proeza de usar a propaganda desonesta, a manipulação de dados e fatos e a exploração de mentiras para influenciar a língua, o argumento, a informação e a história. “À moda de Goebbels, os petistas repetem mentiras à exaustão, até que elas virem verdade para os menos informados. Tal qual Stalin, recorrem a mentiras para demolir seus adversários” (Maílson da Nóbrega, economista e ex-Ministro da Fazenda no governo de José Sarney – Rev. Veja, Ed. 2.397, ano 47, nº 44, de 29.Out.2014). 

Desde que passamos a prestar atenção no plano político, ante a considerável preocupação com os rumos que o nosso país vai tomando nas mãos dessa turma de “gângsteres palacianos”, assistimos o organismo social brasileiro conviver com certa passividade, devido a sua ignorância, com a intransponível “Síndrome da Imunodeficiência Política Adquirida do PT (SIPDA-PT) pelo Vírus da Imunodeficiência Petista” (uma espécie de HIV-companheiro) que segue solapando, corroendo as entranhas da saúde político-social-econômica de nossa nação. 

Pois é amigos leitores, desde a infeliz chegada dessa organização caborteira ao palácio do planalto, é notório perceber que o organismo social brasileiro foi gravemente infectado por essa moléstia sexo-político-promíscua-transmissível, que por meio da exaustiva propaganda aduladora insistem em nos induzir a sedução de uma “sociedade igualitária”, o que certamente passou a representar um grande “perigo” a saúde da nação brasileira que vai a conta gosta experimento a amarga quebra de toda a sua estrutura social e econômica.

A situação é ainda mais preocupante se se levar em conta os constantes diagnósticos de especialistas que apontam que esta síndrome tem nos conduzido alegre e irresponsavelmente para relações diplomáticas babelescas com nações onde as liberdades individuais são uma quimera. Se não, observemos: visitas oficiais a países de visceral princípio socialista; importação de médicos estrangeiros com o principal objetivo de acostumar nossa população com as belezas folclóricas do socialismo; e gastos financeiros progressivos com doações ultra-secretas em favor de nações mais pobres (todas socialistas), são as preferências desse maldito vírus. 

Este último diagnóstico – doações secretas a países de tendências socialistas – é o âmbito de incidência desta nossa reflexão. Queremos deixar assente que este tipo de doença, além de atingir diretamente a saúde do sistema econômico-imunológico da nação brasileira, faz com que o organismo verde e amarelo não mais possa se defender contra qualquer tipo de infecção ou doença sócio-econômica.

E o que nos parece mais grave, o Brasil vive o pior estágio de sua “Síndrome da Imunodeficiência Política Adquirida do PT (SIPDA-PT)”, transmissão esta que contaminou mortalmente a corrente sanguínea do organismo brasileiro provinda das inúmeras relações promíscua com os países que fazem parte do “Foro de São Paulo”, criado pelos vírus companheiros Fidel-Lula-Chaves. 

Esse HIV-petista, até onde se sabe, ainda não apresenta cura. Até o atual estágio das pesquisas médico-políticas, o que existe, ainda sem sucesso, é o chamado ‘coquetel da resistência’, encabeçado pelo brilhante Senador e líder dos Democratas (DEM-GO), Ronaldo Caiado, segundo o qual nada mais é que um conjunto de remédios, ou seja, de assinaturas necessárias para se tentar conter, ou seja, controlar as diversas manifestações do vírus por meio da instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Segundo o patriótico Senador, “O BNDES deixou de ser um Banco de Desenvolvimento Econômico e Social para se transformar em financiador dos ‘amigos do rei’. Não há transparência quanto aos termos e garantias dos empréstimos e vários indícios de ilicitudes. Um exemplo é o financiamento bilionário ao JBS Friboi, coincidentemente, o maior doador da campanha à reeleição da presidente Dilma”, argumentou o líder. 

Isso é tão verdade, que o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, tentando evitar a CPI do BNDES, esteve no Senado e confirmou, em audiência, que financiamentos concedidos pelo país a Angola e Cuba foram classificados como “secretos” por causa de um acordo bilateral feito entre o Brasil e os dois países ditatoriais. O interessante, e poucas pessoas têm conhecimento disso, é que esses contratos ficam sujeitos a cláusulas do país de destino e não do país financiador (entenderam?).

Exatamente isto, esses contratos estão sujeitos a um tratado ou a uma disposição soberana do “país beneficiado” por uma exportação, afirmou Coutinho, com a cara mais deslavada do mundo, durante audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Lembrando aos amigos leitores que o BNDES é o Banco de Desenvolvimento do governo federal e seu capital é constituído com “dinheiro de impostos” cobrados dos cidadãos brasileiros.

Reparem então a excrescência: nós, titulares legítimos dos vultosos valores “emprestados” a países historicamente caloteiros, financiamos contratos que contenham informações “estratégicas” acobertados por “sigilo comercial”, ou seja, o povo brasileiro é obrigado a abrir mão de sua saúde, segurança, infraestrutura e educação de qualidade para financiar tais serviços em países alienígenas. Para causar mais dor ao organismo brasileiro, só em 2012 o BNDES desembolsou US$ 875 milhões para Cuba e Angola. Deu prá entender ou será necessário desenhar? 

O desfile de maracutaias e tapeações é a marca registrada do governo Dilma, especialmente nesses momentos críticos que atravessamos, com a economia bem fragilizada por conta do dinheiro desviado para as duas tiranias cuja estimação se aproxima dos 7 bilhões de dólares necessários para eliminar até 2024 as carências que acossam o porto de Santos, o maior da América Latina, responsável por 1/4 da balança comercial brasileira.

A profundidade, por exemplo, precisa passar de 13 para 17 metros (Mariel, em Cuba, já nasceu com 18 metros). Os 12 quilômetros de cais são cada vez mais acanhados para um movimento anual que em 2013 atingiu 114 milhões de toneladas. Enquanto filas monstruosas congestionam as imediações do porto de Santos, Mariel já conta com 12 quilômetros de ferrovias e 70 quilômetros de estradas pavimentadas com pista dupla construída à custa das misérias da sociedade brasileira que paga uma pesada carga tributária para “se fuder”.

A babá do “Brasil Maravilha” que Lula pariu, fez a farra com dinheiro público para vencer as eleições, nos encheu de estádios de futebol que não param de sangrar cofres públicos até os dias de hoje; nos presenteou com inúmeras obras superfaturadas e inacabadas; quanto as obras classificadas como necessárias, como o tão propalado trem-bala, segue enfurnado na cabeça dos farsantes e os milagres de mobilidade urbana não desceram do palanque. Os metrôs subterrâneos, de superfície ou elevados, os trens metropolitanos com ar condicionado, o mundaréu de aeroportos, as rodovias de matar gringo de inveja ─ nada disso passou de engambelação. A única obra de grande porte inaugurada pela presidente de um país cuja infraestrutura implora por socorros urgentes fica em Cuba. 

Só os mal-intencionados ou ignorantes úteis para acreditarem que este segundo mandato será diferente do primeiro, ou seja, que ele sofrerá uma metamorfose redentora nos próximos quatro anos, se é que chegará lá. Aliás, para reforçar a gravidade dos diagnósticos do HIV-companheiro de que somos omissos portadores, o ministro de Minas e Energia desse governo loroteiro, Eduardo Braga, anunciou que o governo brasileiro, em plena crise econômica e energética, irá gastar R$ 60 milhões para reformar uma usina térmica que será doada à Bolívia (PQP!). O pedido de doação da usina, instalada no rio Madeira, em Rondônia, foi feito pelo presidente boliviano, Evo Morales, há quase quatro anos e, de acordo com o Itamaraty, faz parte de um acordo fechado há cerca de sete anos, ainda no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (vão todos prá PQP!). 

Em resumo, é um erro pensar que Deus criou essas doenças para o povo brasileiro. Deus não é cruel e inclemente a ponto de mandar esses males companheiros, um após outro, toda vez que se encontra a cura de uma enfermidade grave. Na verdade, quem criou todas essas doenças fomos nós brasileiros quando acreditamos e alimentamos todas as encapotações oriundas de um vírus mortal-deformado conhecido por Duende-Exu-Lulalarápio-de-Nove-Dedos. 

É como disse Padre Antônio Vieira: 

“MUITO TEMPO HÁ QUE A MENTIRA SE TEM POSTO EM PÉS DE VERDADE, FICANDO A VERDADE SEM PÉS E COM DOBRADAS FORÇAS A MENTIRA”.

QUE DEUS SALVE O BRASIL DESSAS MALIGNAS ENFERMIDADES !!!

Gerson Paulo. Revista Sociedade Militar.

Share Button

Artigos importantes

Comentários