MILITARES brasileiros mortos pelas FARC são homenageados. Imprensa esqueceu?

MILITARES  mortos pelas FARC recebem homenagem discreta.

A maior parte da sociedade brasileira não sabe disso. Mas, essa semana completou 25 anos o atentado que vitimou 12 militares do Exército Brasileiro. 

Uma base do Exército Brasileiro localizado à margem do Rio Traíra foi atacada por cerca de 40 guerrilheiros  de forma surpresa e covarde. Os dois militares que estavam de guarda foram praticamente executados. O ataque resultou em três soldados brasileiros mortos e nove feridos.

O Exército realizou homenagens discretas aos heróis que tombarem defendendo nosso território. Nenhuma rede de TV fez questão de divulgar o fato.  Os terroristas portavam armamento automático HK 5.56 mm e armas de caça calibre 12. Planejaram sua operação, pois se dividiram em três colunas, uma delas dando cobertura de longe com armas de longo alcance.

Faziam parte do grupo duas mulheres identificadas como já tendo sido anteriormente presas no Destacamento, que devem ter fornecido informações sobre acesso, número de militares “na hora” etc.

Por causa da precariedade nas comunicações o comando do Exército demorou bastante para tomar conhecimento da situação e não teve como dar apoio aos militares sitiados.

Poucos dias após o evento um dos militares que serviam no local deu declarações. O tenente Romildo disse. “fomos cercados e metralhados… sabemos que havia mulheres e foi na hora de nosso almoço, quem estivesse de pé foi alvejado”.

Completamos hoje um quarto de século e membros das FARC são aliados de alguns políticos brasileiros e admirados por parcela significativa da sociedade brasileira.

Militares e sociedade honesta os considera terroristas da pior espécie, sabemos que iniciaram ser projeto de terror nos anos 60 e 70 com a ajuda de cubanos e russos e que tentam até hoje impor sua vontade com base no terror e desrespeito a princípios fundamentais.

Sabemos que mais recentemente, em 2004, as FARC empreenderam operação para atacar outro destacamento avançado, em Querari. O serviço de inteligência, por meios que não pode-se divulgar, obteve as informações a tempo de enviar para o local 40 guerreiros de selva que conseguiram frustrar a ação.

Nossos respeitos aos militares falecidos no atentado. Sansão Ramos Gonçalves, Aldemir Lopes de Oliveira e Sidimar Fonseca Moraes, que pereceram honrando o juramento prestado por todos os militares das Forças Armadas.

Revista Sociedade Militar

 
Share Button

Comentários