fbpx
Colaboradores - artigos, estudos, reportagens

Não é só no EXÉRCITO. O ANTIPETISMO está nas três Forças Armadas em todos os postos e graduações

antipetismo nas forças armadas candido aragão
Compartilhe
antipetismo nas forças armadas candido aragão

Uma conversa com os amigos. Deixe sua opinião no campo de comentários.

Em 2014, as vésperas das eleições, o sentimento anti-DILMA já era evidente dentro das Forças Armadas. Nos clubes militares e qualquer lugar que os militares se reunissem a campanha era intensa para que familiares e amigos não votassem na candidata do Partido dos Trabalhadores.  O clube militar do Rio de Janeiro chegou a divulgar comunicado anunciando Aécio Neves como candidato dos Militares, não por sua capacidade, mas porque seria o menos pior e com melhor potencial para derrotar o PT.

Candidatos militares para os cargos de deputado federal e estadual, cientes do sentimento anti-esquerda, evitaram a qualquer custo o Partido dos Trabalhadores e outras legendas esquerdistas.

Na época o editor de Opinião do Clube Militar. General Clovis Purper Bandeira, disse que o PT ainda poderia fazer muito mal para o Brasil

O motivo principal é tirar o PT do poder. Acreditamos que o PT já fez muito mal para o Brasil e ainda tem muito mal a fazer e como lhe disse qualquer candidato que vá para o segundo turno contra o PT terá maioria dos votos entre os nossos associados

Essa semana veio a tona um documento do Partido dos Trabalhadores onde a liderança se lamenta de diversos erros cometidos e de não ter obtido êxito no aparelhamento das Forças Armadas brasileiras e outras instituições como polícia federal e MP. No documento o PT fala sobre promover militares das Forças Armadas ligados a ideologia “progressista”.

Comentando sobre a questão, o Comandante do Exército declarou a uma repórter que esse tipo de coisa acabaria plantando um sentimento antipetista nas Forças Armadas.

Queremos crer aqui que o referido General de Exército quis amaciar o discurso. Mais que todos nós ele sabe que, independente de posto ou graduação, os militares são majoritariamente – em proporção esmagadora – opositores ferrenhos das doutrinas defendidas pelos partidos de esquerda, entre eles o Partido dos Trabalhadores.

Há muito que a Revista Sociedade Militar vem dizendo que militares brasileiros não são e nunca serão como seus congêneres Venezuelanos. Na Venezuela, em troca de apadrinhar Chaves e Maduro, os militares ganharam aviões do último tipo, uniformes novos, crédito mais barato, supermercados exclusivos e outras vantagens.

Por aqui a esquerda sabe muito bem que esse tipo de privilégio não prosperaria jamais. O simples “não apoio” dos militares à tresloucadas idéias de Dilma e equipe pode ser considerado como primordial para a queda da mandatária.

“Os militares brasileiros não ‘entraram na onda’ de seus congêneres de países vizinhos, permanecem como guardiões do Estado e instituições democráticas. Isso parece assustar muito.”

Alguns dizem que as Forças Armadas brasileiras erraram em não promover no país, nos anos que se seguiram a contra-revolução de 1964, um intensa campanha de esclarecimento sobre os verdadeiros objetivos da esquerda. Alega-se que isso abriu portas para a revolução cultural grancista que tornou a esquerda tão simpática para nossos jovens.

Esse mesmo equivoco pode ter ocorrido no que diz respeito a formação dos graduados das três forças. Enquanto o oficialato recebe nas academias militares noções de direito constitucional, história, sociologia, filosofia e outras disciplinas que lhes trazem esclarecimento sobre a história recente do Brasil e Mundo, para os graduados via de regra apenas o ensino técnico-militar é ministrado. Essa condição em tese tornaria os sargentos, elo primordial na estrutura hierárquica, vítimas fáceis do assedio comuno-progressista, que usou em diversos locais do planeta – inclusive Brasil dos anos 60 – a luta de classes como porta para entrada nas instituições militares.

O que impediu as bases das Forças Armadas de ser “aparelhadas” foi o puro e simples esforço individual dos sargentos que buscaram intelectualização por meios próprios. A intelectualização impediu que surgissem novos “ANSELMOS”.

Hoje em dia, ainda que isso não lhes acrescente um centavo nos soldos, o número de militares graduados com cursos superiores obtidos em universidades civis em alguns locais supera o número de oficiais na mesma condição.

A intelectualização dos graduados é rígida barreira contra a  introdução não só de doutrinas desagregadoras nas Forças Armadas brasileiras, como também é fator dissuasivo contra abusos de autoridade e outros desvios de conduta que eventualmente possam vir até de dentro das próprias corporações.

Nas Forças Armadas brasileiras do séc. XXI definitivamente não prosperariam Prestes, Anselmo e Cândido Aragão. Não há mais oficiais e praças do nível daqueles que quase atiraram as Forças Armadas nas mãos da esquerda no século XX.

Texto de Robson A.DSilva – Revista Sociedade Militar.

Sociedade Militar

Compartilhe
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

Mais acessados da semana

To Top