fbpx
Exército

Sargento Feliciano, o Bolsonaro que não deu certo! Punido várias vezes, militar que protestou contra Dilma e valor do salário família sai do Exército e vai trabalhar nos EUA

Compartilhe

O Exército Brasileiro nunca se mostrou condescendente em relação a militares que ousaram contestar minimamente qualquer situação relacionada a salários e carreiras de militares ou expor para o mundo casos ocorridos dentro dos quartéis. Mesmo que a coisa chegue a beira do absurdo, como foi o caso da situação salarial dos militares após o governo Fernando Henrique Cardoso, se as denúncias não partirem da cúpula, dificilmente serão aceitas e – pior – os autores quase sempre são severamente sancionados.

O JURISTA Barbosa Lima Sobrinho ainda nos anos 60 alertou a sociedade sobre esse comportamento da cúpula das Forças Armadas, que ao punir graduados que emitem opinião, não procedendo da mesma forma em relação aos generais que fazem a mesma coisa, comete uma grande injustiça. Disse: “Não há como entender, ou justificar, que generais possam ter direito a manifestações políticas e que o mesmo direito seja negado aos suboficiais, de modo a que sejam presos aqueles que pretenderam seguir os exemplos de seus superiores hierárquicos…” e

“(…) Se a tropa se convence de que, no plano político, os superiores gozam de um direito que é recusado aos sargentos, a conseqüência será … a formação de um sentimento de animosidade, de um conflito que, por não se manifestar de imediato, não será menos perigoso, como uma força latente de desagregação (…)” (B. LIMA SOBRINHO, in O Semanário, 23 a 39-5-1963, p.5)

A afirmação do nobre jurista, feita em 1963, se mostra bastante atual pois o general Hamilton Mourão, atual vice-presidente da república, ao criticar Dilma Rousseff há alguns anos, ainda na ativa, fez exatamente a mesma coisa que o sargento Feliciano. Ainda que estivesse sujeito ao mesmo regulamento disciplinar – ao contrário de ser preso Mourão ganhou o cargo de Secretário de Finanças do Exército.

A Força colossal da instituição

O sargento Vinicius Feliciano, assim como Jair Bolsonaro, é um dos que sentiu na pele a colossal força da instituição Exército Brasileiro. Indignado com a perseguição de Dilma Rousseff contra as Forças Armadas, o militar planejou alguns atos simbólicos, entre eles Descer de rapel o vão central da Ponte Rio x Niterói e atravessar a Bahia de Guanabara algemado denunciando o valor do salário família. O sargento também pretendia, voando de parapente, passar com uma faixa em frente as praias do Rio de Janeiro denunciando a situação salarial dos militares, mas por conta da situação financeira acabou fazendo isso somente em Niterói.
……
Ouvido pela Revista Sociedade Militar, na época Feliciano explicou que não conseguia entender como os comandantes das Forças Armadas permaneciam inertes diante de um governo que tentava desacreditá-los todo o tempo, subjugando toda a tropa a ponto de impor um salário família no valor de 16 centavos (R$ 0.16) por dependente e manter todos os militares por vários anos sem uma correção salarial que realmente recuperasse as perdas inflacionárias.

Como Bolsonaro, formado em educação física pelo Exército, além de graduado em História e pós-graduado em disciplinas da área econômica, o jovem militar não conseguia deixar de se indignar porque percebia exatamente o que estava acontecendo. Enquanto membros das cúpulas das instituições militares estavam em situação confortável, desfrutando de imóveis funcionais e salários com o upgrade de diárias de viagem e cargos comissionados, a base da pirâmide hierárquica sofria com baixos salários e descontos acumulados de empréstimos consignados.

Uma pesquisa promovida pela Revista Sociedade Militar na época mostrou que grande parte dos militares contraia empréstimos com o objetivo de sanar dívidas.

A história de Jair Bolsonaro vai na mesma linha da do sargento Vinícius Feliciano, tentativa do uso da mídia para denúncias contra privilégios para a cúpula e tentativas de mudar as coisas informando a sociedade sobre o que de fato acontecia. O caso Bolsonaro – quando se criou um herói, o chamado mito – foi um aprendizado para as Forças Armadas.

Ao contrário do que se fez com Jair Bolsonaro, as Forças Armadas não enquadraram Vinícius Feliciano como criminoso, não tentaram excluí-lo sumariamente, em 2013 já existiam redes sociais e a coisa poderia crescer muito. A estratégia adotada foi aplicar punições disciplinares constantes, uma delas de 12 dias de cadeia, sem enviar a coisa para a justiça militar, de forma que não chamasse a atenção e ele fosse discretamente desligado por indisciplina e não por delitos de opinião.

O militar conta que a pressão era enorme, quase insuportável, todos os seus passos eram vigiados e até um sapato arranhado poderia lhe render uma punição.


Na época em que BOLSONARO iniciou sua carreira política o país vivia exatamente o período de transição entre o governo militar e a democracia plena que hoje vivemos, era do interesse da grande mídia mostrar que os generais não eram tão justos quanto se pensava. Na época das manifestações do sargento Feliciano grande parte da imprensa apoiava Dilma e suas tentativas de denegrir o passado das Forças Armadas. O sargento dirigia suas críticas contra a presidente, em uma faixa colocou o texto “diz que foi torturada e agora torturas!“, se referindo ao que a mandatária fazia com os militares das Forças Armadas. Obviamente, suas ações não eram do interesse da grande mídia.

Uma das frases mais usadas por ele em entrevistas era: “Ações comuns, resultados comuns. Ações extraordinárias, resultados extraordinários.”

Entrevistado pela RSM ele contou que uma das intenções era motivar outras pessoas a contar o que estava acontecendo, o aviltamento salarial que existia contra os militares: “Escolhi a ponte Rio-Niterói, planejei e executei. Mesmo sabendo da possibilidade de chuva, de acordo com a previsão do tempo, fui em frente assim mesmo, pois na infantaria, a chuva é nossa companheira. Na mesma manhã, caiu um prédio em São Paulo que matou mais de 200 pessoas e a chuva impediu que helicópteros das redes de TV fossem ao local e com esses dois fatos perdi espaço na mídia. Mesmo assim o assunto se espalhou pelos quartéis de todo o Brasil. Fiquei insatisfeito com o resultado, pois não houve mais mobilizações de militares em prol da questão salarial, como eu havia imaginado.”

Após todos os atos e seguidas punições, sem mais perspectivas de ascensão no Exército Brasileiro, o militar, cedendo a insistentes convites de amigos, em 2014 tentou uma cadeira de Deputado Estadual no Rio de Janeiro. Na época estava claro que toda a família militar votaria em Bolsonaro para Deputado Federal, que era hegemônico. A tropa não abraçou sua causa, o então candidato Sargento Feliciano recebeu pouco mais de 1.900 votos, um resultado considerado excelente para um candidato de “primeira-viagem” e com o gasto de apenas 800 reais, cerca de 40 centavos por voto.

“Se houvesse investido 8 mil reais Feliciano receberia 20 mil votos e provavelmente teria sido eleito.. mas era o que ele tinha.”, diz um militar que acompanhou de perto a campanha do sargento.
Vinícius Feliciano tinha tudo para ser sucedido nas eleições seguintes. Mas, desanimado com as perspectivas apresentadas pelo Exército Brasileiro, reiteradamente punido e sofrendo perseguições constantes, acabou deixando a força terrestre. Feliciano hoje trabalha nos Estados Unidos, em Boston, mora nas proximidades da Universidade de Harvard.



O ex-sargento está escrevendo sobre esse e outros temas, em um livro ele pretende contar detalhes sobre como funcionam as coisas nas Forças Armadas Brasileiras no que diz respeito à direitos humanos, representação política, direito de expressão etc.
Revista Sociedade Militar

Compartilhe
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

Mais acessados da semana

To Top