Militares compareceram hoje no Rio para depor sobre o caso Rubens Paiva. Oficiais se calaram e disseram que seus depoimentos poderiam ser utilizados contra eles mesmos.

Militares compareceram hoje no Rio para depor sobre o caso Rubens Paiva. Oficiais se calaram e disseram que seus depoimentos poderiam ser utilizados contra eles mesmos.

Para a audiência de hoje (29/07) foram convocadas oito pessoas, somente compareceram cinco. Quatro prestaram depoimento, mas apenas o ex-delegado regional de Petrópolis, Mauro Magalhães, que atuou na cidade serrana do Rio no período em que funcionava a Casa da Morte, respondeu questões dos membros da CNV. Ele afirmou que conhecia Paulo Malhães e outros agentes que atuavam em Petrópolis, que o "visitavam de vez em quando para bater papo".

Os militares da reserva Jacy e Jurandyr Ochsendorf e Souza e o General Nilton de Albuquerque Cerqueira, orientados por seus advogados, se recusaram a responder as questões referentes às violações de direitos humanos a eles associadas. A alegação dada pelos mesmos é que pessoas que prestaram depoimento à CNV teriam sido denunciadas pelo Ministério Público Federal.

Os membros da CNV aparentemente se irritaram com a decisão e mesmo assim fizeram todas as perguntas previstas. Pedro Dalari, coordenador da CNV, ao final disse que se manter calado é uma decisão frustrante que afeta a imagem das Forças Armadas.

"A posição sistemática desses militares / servidores públicos no sentido de que não têm nada a declarar é muito ruim. É frustrante para a sociedade brasileira, extremamente prejudicial para esses próprios militares e, infelizmente, começa a afetar a imagem e a reputação do Exército e das próprias Forças Armadas de maneira geral".

A opinião do coordenador da CNV, de que a atitude dos oficiais é "frustrante para a sociedade" parece não ser endossada pela própria sociedade que acessa a página ofocial da CNV no facebook. Alí encontramos comentários bastente interessantes, solicitando uma apuração das ações executadas pelos dois lados que combateram no período investigado. Veja ao lado.

http://sociedademilitar.com.br

 

Mais acessados da semana

To Top