Militares têm confirmada a ação que garantiu deposição de Chefe de Governo na Tailândia. A impugnação de Shiwantra, do PT, foi aprovada por maioria esmagadora no Parlamento.

Militares têm confirmada a ação que garantiu deposição de Chefe de Governo na Tailândia. A impugnação de Shiwantra, do PT, foi aprovada por maioria esmagadora no Parlamento.

A imprensa brasileira noticiou o fato como Golpe Militar. Porém, na verdade não ocorreu golpe, a premier tailandesa foi deposta por conta de graves acusações de corrupção, além de ser um tipo de fantoche de seu irmão exilado. Os militares se limitaram a manter a ordem no país. Algum tempo depois, a pedido do próprio parlamento, assumiram o controle do governo.

Muitos intervencionistas brasileiros citam o caso da Tailândia como exemplo de algo que poderia ocorrer no país.

O parlamento tailandês foi nomeado pela junta militar que, a pedido da sociedade tailandesa, manteve o país em ordem após a grave crise ocorrida no último anos. Os parlamentares, confirmando a vontade da população que foi às ruas, aprovaram nesta sexta-feira o impeachment por cinco anos da ex-primeira-ministra Yingluck Shiwantra. A medida foi aprovada com 190 votos a favor, 18 contra e 8 abstenções…

Continue lendo esse artigo

Geopolítica / Religião.

Militares têm confirmada a ação que garantiu deposição de Chefe de Governo na Tailândia. A impugnação de Shiwantra, do PT, foi aprovada por maioria esmagadora no Parlamento.

Militares têm confirmada a ação que garantiu deposição de Chefe de Governo na Tailândia. A impugnação de Shiwantra, do PT, foi aprovada por maioria esmagadora no Parlamento.

A imprensa brasileira noticiou o fato como Golpe Militar. Porém, na verdade não ocorreu golpe, a premier tailandesa foi deposta por conta de graves acusações de corrupção, além de ser um tipo de fantoche de seu irmão exilado. Os militares se limitaram a manter a ordem no país. Algum tempo depois, a pedido do próprio parlamento, assumiram o controle do governo.

Muitos intervencionistas brasileiros citam o caso da Tailândia como exemplo de algo que poderia ocorrer no país.

O parlamento tailandês foi nomeado pela junta militar que, a pedido da sociedade tailandesa, manteve o país em ordem após a grave crise ocorrida no último anos. Os parlamentares, confirmando a vontade da população que foi às ruas, aprovaram nesta sexta-feira o impeachment por cinco anos da ex-primeira-ministra Yingluck Shiwantra. A medida foi aprovada com 190 votos a favor, 18 contra e 8 abstenções.

A maioria dos jornais da Europa citou o caso como um processo de impeachment, com exceção da agência Euronews em português, esta diz em sua manchete que foi um “segundo golpe militar”. A CNN, se mantendo imparcial, se limita a dizer que “PARLAMENTARES VOTARAM PELO IMPEACHMENT de ex-premier”.

impeac-1-23_13-48-58_No-00

Antes, o ministério Público anunciou que Shinawatra será indiciada por corrupção, crime que prevê pena de até dez anos de detenção. “O Ministério Público estudou os testemunhos e provas submetidos à Comissão Anticorrupção. Estamos de acordo em que o caso permite processar Yingluck”, disse o procurador Surasak Threerattrakul à imprensa.

O anúncio aconteceu no mesmo dia em que a Assembleia Nacional, composta por membros nomeados pela junta governamental, decidiu a proibição de sua atuação na vida política durante cinco anos.

Yingluck declarou na véspera, diante da Assembleia, sua inocência e disse que o impeachment não se funda em nenhum texto da lei já que a junta revogou a Constituição.

A Comissão Anticorrupção tem como pilar principal contra Yingluck, sua negligência no quadro de um programa de subsídio aos produtores de arroz que levou o Governo a comprar arroz 50% mais caro que o preço do mercado.

Yingluck é irmã do ex-dirigente multimilionário Thaksin Shinawatra, que foi deposto também após acusações de corrupção.

Os partidos pro-Taksin ganham todas as eleições legislativas há mais de 10 anos, apoiados sobretudo pelos prodututores de arroz do norte e nordeste do país, mas as elites tradicionais acusam há anos a família Shinawatra de grave corrupção.

Em comum com a situação brasileira, além do partido no poder se chamar partido PT (Pheu Thai), a chefe de governo na Tailandia era uma mulher que governava sob a orientação de um ex-governante muito populista, do qual recebeu gigantesca “herança poítica”. O partido da Premier afastada mantinha também programas populistas, um deles é o subsídio para compra de arroz. Acusações de corrupção e favorecimentos também forneceram combustível à crise política.

 

Em 2013 ocorreram várias manifestações contar o governo, em uma delas mais de cem mil pessoas foram as ruas. Diferente do que ocorreu aqui na época das grandes manifestações, na Tailândia a sociedade se manifestou especificamente contra o governo. Na época os jornais destacavam também que, a massa nas ruas era heterogênea, sendo que parte significativa dos manifestantes era formada por pessoas com mais de 40 anos.

 Uma das frases gritadas era:  “Eles têm que se ir embora, Não quero mais a família Shinawatra aqui. Têm que deixar o país

  Shinawatra é o sobrenome da ministra deposta e de seu irmão exilado, que ainda mantém o controle do PPT.
  Algum tempo depois do início das manifestações populares, o principal partido de oposição se uniu aos manifestantes.  “A primeira-ministra não tem o direito de presidir negociações, já que ela é o centro dos problemas. A primeira-ministra deve renunciar para que a sociedade encontre uma solução para o país“, declarou o líder da oposição em novembro de 2013.
   Note que a Primeira Ministra da Tailândia, que a imprensa faz parecer que foi afastada pelo “golpe militar”, na verdade foi condenada na justiça comum e demitida do cargo. Ou seja, ela sofreu uma espécie de IMPEACHMENT em 7 de maio de 2014. Os militares aguardaram até 22 de maio, até que todas as possibilidades legais fossem esgotadas para o país sair do caos, mas não aconteceu, então decidiram, após solicitações em massa, assumir o controle.
Os militares suspenderam a Constituição e apresentaram o seu roteiro para retirar a Tailândia da crise política generalizada. Logo após a intervenção, anunciaram que pelo menos 155 políticos estão proibidos de deixar o país, entre eles a ex- Primeira Ministra Yingluck Shinawatra. Por uma infeliz coincidência o partido deposto na Tailândia era o Partido Pheu Thai, que pode ser abreviado por PT, ou PPT. O partido é majoritariamente apoiado pela população mais humilde.

  A crise se agravou depois que a Primeira MinistraYingluck Shinawatra, deposta foi acusada de governar sob as ordens de seu irmão Thaksin Shinawatra, condenado por corrupção a dois anos de prisão, e  atualmente foragido do país. Mas que permanece ainda como uma espécie de ícone do partido. A chefe de governo é também acusada de corrupção na compra do arroz subsidiado e de tentar impor uma anistia a todos os políticos condenados ou afastados em anos anteriores.
   A Primeira Ministra foi LEGALMENTE julgada e condenada. Foram também condenados e demitidos outros 9 ministros. Após a condenação a crise política aumentou,  políticos de situação e oposição continuaram os embates e as manifestações permaneceram nas ruas. As forças armadas decretaram toque de recolher e dois dias depois assumiram o controle do país.

Portanto, a ação MILITAR não veio do nada, não caiu do céuA população foi para as ruas e insistiu na adoção de medidas legais, como o julgamento da líder governista. Os militares aguardaram até que todas as possibilidades legais fossem esgotadas. O povo permaneceu nas ruas. Por ultimo, o exército chegou a convocar representantes dos partidos, na tentativa de promover uma re-conciliação, mas isso não deu certo.

Recado. No Brasil ha um povo está disposto a mudar as coisas, isso foi provado nas eleições, isso é provado nas manifestações. Oposição nas ruas não se faz de qualquer maneira. Lideranças precisam agir estrategicamente e conduzir os acontecimentos para que o Brasil assuma rumos mais promissores. 

No caso da Tailândia pode-se perceber que a sociedade se concentrou em fazer com que a governante fosse processada legalmente. Embora alguns o fizessem, a massa não pedia predominantemente a ajuda dos militares. Quando uma fortificação inimiga está abalada se concentra o fogo no ponto fraco. Pergunte-se: qual o ponto fraco do ParTido a derrubar? (Corrupção, Petrobrás, perdão de dívidas estrangeiras?) Atirem então nesse(s) “local”(is). Na Tailândia a persistência inteligente acabou por levar a uma reação em cadeia que retirou do poder a Premier e vários de seus companheiros de partido, gerando uma situação insustentável. Em seguida os militares precisaram intervir para restabelecer a ordem. E isso ocorreu naturalmente e quase sem incidentes desagradáveis.

Robson A.D.Silva – Cientista Social – Revista Sociedade Militar.

Mais acessados da semana

To Top