Forças Armadas

Braço forte e Bolso cheio! Generais recebem gratificações polpudas.

Braço forte e Bolso cheio!

Um general de brigada do exército, apesar de receber um salário baixo para a função que ocupa, cerca de 14 mil reais, próximo do que recebe um motorista ou um ascensorista de elevador no SENADO, nem sempre fica só com o salário “crú”. Em determinadas situações um oficial general, pelo que se observa no Portal da Transparência, pode receber valores que ultrapassam em muito o salário normal.

Os valores recebidos, ao que parece, podem ultrapassar a casa dos 50 ou 60 mil reais mensais se o militar for escalado para a árdua tarefa de gerenciar/participar de uma grande operação ou outra missão que justifique o pagamento de diárias, hospedagem etc.

Vejam aí um exemplo interessante.

Está no portal da transparência.

Pelo que se observa no site transparência

em apenas 3 meses o militar em questão recebeu mais de 140 mil reais em “verbas indenizatórias”.

O site ainda não apurou as verbas indenizatórias recebidas pelos demais militares que participam de operações.

A quantidade de reclamações que temos recebido após a publicação desse pequeno artigo é incomum. Divulgar uma informação pública (disponível aqui) configura que somos anti militares? Acreditamos exatamente no contrário. Privar o cidadão de informações tão importantes seria sim algo estranho. 

Repetimos aqui. A Revista Sociedade Militar, ainda que possua vários militares entre seus colaboradores, não tem vínculos oficiais com forças armadas, polícias, partidos ou qualquer instituição. O único compromisso é com a verdade e divulgação de informações verificáveis sobre segurança pública, geopolítica, política e ciberativismo, o que nos tornou uma das publicações online mais lidas do país.

Acreditamos que o esclarecimento liberta. Conhecendo a verdade cada um dos leitores poderá formar e reformar suas opiniões sobre o quotidiano. Agindo e reagindo de forma cada vez mais eficaz. Aqueles que esperam que informações importantes sejam omitidas não devem procurar isso nesse site.


Publicando adendo  recebido de  leitor no campo para comentários.

Antes, ressaltamos aqui que se as informações disponibilizadas pelo site TRANSPARÊNCIA não forem extremamente explicitas, darão margem a diversas interpretações. Somando os totais de verbas indenizatórias de três extratos de bilhetes disponibilizados acima percebe-se um valor que ultrapassa 140 mil reais. Não se discrimina se os valores apresentados são redundantes, se foram recebidos no passado, se são fruto de transferência de estado, quartel, operações etc. O artigo apenas retrata o que é apresentado. Para fazer justiça não poderíamos deixar de apresentar o material abaixo, que descreve pormenorizadamente a situação.

Recebido no campo comentários.

Em maio de 2014, fui designado para fazer parte do Estado-Maior de uma grande operação militar nas fronteiras secas do Brasil. Minha sede é o Rio e tive que me deslocar para Porto Alegre, onde se situava o Comando da Operação. Recebi da Marinha passagens aéreas de ida e volta e cerca R$ 2.800,00 a título de Diárias de Alimentação e Pousada, pelos doze (12) dias que ficaria em POA. Investiguem quantos hotéis de qualidade média situados nas proximidades do Comando Militar do Sul (centro de POA), hospedariam uma pessoa pelos 12 dias e quantos restaurantes serviriam vinte e quatro (24) refeições (almoço e jantar), totalizando o valor recebido. Repito R$ 2800,00. Mesmo quando o militar abre mão do hotel e aceita ficar em um alojamento da Unidade Militar apoiadora, está obrigado a pagar o que se chama de GIPA (Guia de Alimentação e Pousada). Além disso, todos os deslocamentos pessoais na cidade, não são cobertos pelas diárias, mas sim, custeados pelos próprios militares nessa situação…

Analisando melhor o contracheque acima apresentado, vêem-se as parcelas “Gratificação Natalina”, que, nada mais é do que o 13º SÁLARIO; “Férias” corresponde ao percentual de 1/3 do Soldo que é recebido legalmente por todos os em férias.  A leitura do contracheque demonstra que o militar recebeu o 13º Salário no 2º dia útil de dezembro/2014 (contracheque de novembro) e 1/3 de Férias no mesmo mês porque estaria de férias em dezembro/2014. A dedução no valor de R$ 10.405,02, indica que no contracheque do mês de junho/2014, o militar recebeu, legalmente, 50% do 13º Salário, que vem descontados no contracheque de novembro.

Não vi os “mais de 140 mil reais em “verbas indenizatórias”! Nos três meses, foram recebidos: 14.799,42 + 14.708,75 + 26.980,51, TOTALIZANDO 56.488,68. Ou seja, o titular desse contracheque recebe mensalmente R$ 14.700,00. Se for um General de Brigada, tem pelo menos 35 anos de serviço, e o que está recebendo é irrisório considerando-se a sua preparação (habilitação em cursos), tempo de serviço e responsabilidade para os cargos que assume. O mais curioso que o articulista da matéria não citou os valores descontados a título de Imposto de Renda na Fonte (27,5%).


 Robson A.D.Silva – Revista Sociedade Militar.

Mais acessados da semana

To Top