A LIÇÃO. Uma advertência aos tripulantes de NAVIOS de GUERRA

Quem conhece de perto a MARINHA de GUERRA sabe muito bem como são conceituados os graduados e oficiais subalternos que tem a habilidade para dar um jeitinho para que os meios consigam navegar, mesmo quando faltam os recursos financeiros para manutenção e aquisição de sobressalentes. 

No alto mar, numa guerra, a habilidade de improvisação é sim louvável. Todo comandante e/ou chefe de máquinas quer ter um sargento MacGyver. Daqueles caras que reparam um motor com um pedaço de fio velho, que tem habilidade pra dar um jeitinho em tudo.  Contudo, em terra, em situações normais, a coisa tem que ser diferente. “Dar o pronto” dos navios não pode ser feito a custo de um disjuntor adaptado, um alternador amarrado com arame no lugar do parafuso que quebrou ou de um tubo reparado com a famosa massa verde. Quando esse tipo de coisa se torna rotineiro, até algo cultural – alguns chamam de a cultura do safa – podemos estar correndo grandes riscos. Militares de outras forças e das polícias militares contam que há situações semelhantes, como a chamada “canibalização”, quando se retira peças “meia-vida” de viaturas e aeronaves em péssimo estado, já sem expectativa de reparo, para dar um jeitinho naquelas que ainda estão em uso. 

Aprendemos a suprir a falta de recursos com criatividade, pedir equipamentos ou sobressalentes ao navio do lado, conseguir um reparo de última hora nas oficinas, maximizar a imaginação para resolver com ideias aqueles problemas que só se resolvem com recursos materiais e finalmente, por que não, amarrar com arame e rezar para que aguente… Vozes tão estridentes como ignorantes falam hoje com equívoca fartura de conceitos técnicos que se leva uma vida inteira para compreender. Eram diretores técnicos há dois meses, peritos forenses no mês passado e  são submarinistas experientes hoje.” 

A Tragédia do ARA San Juan – A Lição  por Osvaldo Martinetti (*)

Junto com a enorme dor que nos golpeou nas últimas horas, se acenderam centenas de luzes vermelhas e a sociedade argentina começou a fazer perguntas que deveriam ter sido formuladas há décadas.

Chegará, é inevitável, o tempo da prestação de contas, da metafórica “entrega de faturas”, da busca implacável de responsáveis. E posso afirmar, quase com a mesma certeza, que essa rendição de contas se limitará naqueles que usam um quepe branco com escudo da Armada.

Durante décadas, nós que temos tripulado e comandado navios de guerra no mar, tivemos que lutar contra a apatia, a indolência e a ignorância daqueles que tomavam as decisões sobre nosso orçamento.

Portanto, sair ao mar implicava uma dose às vezes sobre-humana de vontade, de amor pela camisa, de orgulho profissional e até de rebeldia.

Aprendemos a suprir a falta de recursos com criatividade, pedir equipamentos ou sobressalentes ao navio do lado, conseguir um reparo de última hora nas oficinas, maximizar a imaginação para resolver com ideias aqueles problemas que só se resolvem com recursos materiais e finalmente, por que não, amarrar com arame e rezar para que aguente.

De fato, esta criatividade voluntariosa e às vezes voluntarista, passou a ser um dos atributos mais valorizados nos jovens oficiais ou suboficiais da Armada.

De vez em quando nos perguntávamos: “¿E se tentarmos com dinheiro?”, sabendo que lamentavelmente era uma pergunta retórica.

Simplesmente, a Nação não nos atribuía um papel relevante, em consequência não havia respaldo orçamentário e ao final, a opção era assumir os riscos ou paralisarmos definitivamente.

Esta situação é mais extrema nos meios de operação mais arriscada: aviões e submarinos. Aviadores navais e submarinistas devem ser muito mais rigorosos porque suas vidas estão em jogo de modo muito mais evidente e imediato.

Esta situação penosa se estendeu durante anos. Não ocorreu durante algum governo em particular, ainda que seja evidente que algumas gestões nos castigaram mais que outras.

Creio que mais de 90 por cento de nosso pessoal iniciou sua carreira depois da restauração democrática, porém a renovação vegetativa não importa muito quando a desconfiança é virtualmente inata e nos alcança pelo simples fato de ser o que queremos ser.

Agora aí está. Agora perdemos um submarino com 44 almas a bordo.

O mais doloroso é a perda de jovens vidas, certamente. Porém as insinuações sobre a irresponsabilidade implícita na operação de um navio em condições precárias é quase tão dolorosa, por  serem essencialmente injustas. É assim para aqueles dos quais conhecemos o enorme esforço, carinho e compromisso com que eles levaram adiante sua vocação. Nós sabemos porque sentimos o mesmo.

Como disse linhas acima, esta tragedia é de todos ainda que a responsabilidade só recaia em alguns.

Quando a carreira de um militar é interrompida por algum erro severo, ocorre algo especial: esse homem perde sua profissão definitivamente, sem chance de voltar atrás. Isto ocorre também com policiais e gendarmes.

Isto não é uma crítica nem uma queixa, é um dado da realidade. Nos matam com um único tiro, e muitas vezes “pelas dúvidas”. E isto é o que vai ocorrer agora. Afirmo isto porque já começou a ocorrer.

Durante a última semana de pesadelo que viveram os argentinos, em particular os marinheiros, se produziram “fricções” entre militares e políticos.

¿Por que ocorrem? Porque pensamos de maneira distinta, cada um com sua própria estrutura de valores, ideais e objetivos legítimos.

Minha ética profissional me impõe, por exemplo, pedir minha demissão se o navio que comando sofre uma quebra, colisão ou incidente grave. Depois vamos ver se sou culpado, porém minha responsabilidade me exige o proverbial “paso al costado” [NT: “dar passagem”] ainda que seja provisório.

Agora, nossos dirigentes se dedicarão à lucrativa tarefa de “estabelecer responsabilidades”. Gostaria de perguntar se irão buscar em suas casas os ministros de Defesa dos últimos 50 anos, ou se vão questionar, ainda que seja frente ao espelho, suas próprias decisões ou a falta delas.

Esta semana foi dolorosa para todos os marinheiros argentinos, mas especialmente para aqueles que aspiram continuar com sua incipiente carreira. Seu futuro é incerto e eles sabem disto.

Vozes tão estridentes como ignorantes falam hoje com equívoca fartura de conceitos técnicos que se leva uma vida inteira para compreender. Eram diretores técnicos há dois meses, peritos forenses no mês passado e submarinistas experientes hoje. É inevitável, mas doloroso, especialmente quando desde um microfone questionam atitudes profissionais sobre as quais não estão nem remotamente capacitados para avaliar.

Castiguemos os culpáveis, está bem, ainda que só seja a alguns. Se não podemos castigar aos que deveríamos, ao menos façam-lo com aqueles mais facilmente castigáveis.

Mas depois, quando se aplaquem os ânimos e se curem as dores da alma, saibamos que apesar das adversidades, pese à injustiça de pretender que suportem os erros de mais de 40 anos, pese à indolência e a apatia de uma sociedade que deveria velar por eles, segue havendo jovens argentinos cuja principal aspiração é defender a sua Pátria no mar.

Sua Pátria deveria permitir que o façam.

(*) Capitão de Navio (Inativo)  e veterano da Guerra das Malvinas.

COMENTO: Que essa tragédia que atingiu os Submarinistas Argentinos e o próprio povo argentino, sirva de exemplo aos dirigentes daquele país e de outros, particularmente do Brasil. Distribuir tarefas sem a devida distribuição de meios é ato de extrema irresponsabilidade!

Publicado em: Revista Sociedade Militar

Fonte: tradução livre de Tribuna de Periodistas encontrado em http://mujahdincucaracha.blogspot.com.br 

Comentários