INTELIGÊNCIA – SEGURANÇA. Aplicativos para monitoramento de atividades físicas revelam rotina de militares

Aplicativos para monitoramento de atividades físicas podem revelar rotina de militares de todo o planeta.

O aplicativo STRAVA se tornou assunto de discussões entre militares de todo o planeta depois que um estudante revelou suas implicações no que diz respeito ao monitoramento dos trajetos de militares dentro de locais restritos.

Nathan Ruser é o nome do estudante universitário australiano de 20 anos que inicialmente levantou a questão. Ele acredita que os dados revelados pelo Strava em sua HEATMAP são um problema para a segurança de instalações militares. Para RUSER, embora a localização das bases militares seja normalmente bem conhecida, já que aparecem em imagens de satélites, o mapa de calor pode revelar quais as rotas mais usadas pelos soldados e até percursos que não aprecem em mapas públicos.

Veja abaixo o mapa de calor das instalações da Ilha das Cobras no RIO DE JANEIRO.

Notem que o mapa de calor mostra exatamente o percurso mais utilizado pelos militares em atividades de educação física. O mapa de calor mostra também atividade intensa no percurso utilizado pelos militares que se exercitam no convés de voo do navio aeródromo São Paulo.

É obvio que nem todas as pessoas desligam seus equipamentos ou fecham seus aplicativos no momento em que cessam as atividades esportivas. É normal que se esqueça de fazer isso. Isso gera uma preocupação a mais em se tratando de instalações militares já que os os mapas de calor exibidos no site incluem todos os deslocamentos do usuário do aplicativo.

Abaixo um exemplo. Os deslocamentos realizados por meio das embarcações que atravessam a baía de Guanabara são registrados pelo aplicativo, deixando um registro interessante, que repete o percurso das barcas.

O mapa abaixo mostra o percurso utilizado por militares da FAB e civis que se deslocam nas imediações do aeroporto de BELÉM. O trecho com vermelho mais forte corresponde ao percurso de corrida mais utilizado pela manhã, na frente do aeroporto de Val de Cães (VEJA o MAPA do STRAVA). 

A equipe da Revista Sociedade militar verificou exaustivamente o mapa de calor nas imediações de várias instalações militares do Brasil e mundo. Realmente ha possibilidade de se coletar dados significativos. Em áreas remotas, onde não é tão comum a sociedade civil utilizar equipamentos com aplicativos para ciclismo ou corrida é mais fácil inferir quais os percursos utilizados pelas tropas. 

Todos sabemos que mesmo em instalações nas proximidades de grandes centros há locais camuflados, que não podem ser avistados do ar, como paióis de munição colocados sobre árvores ou gramados. Se usuários do STRAVA já foram até esses locais com seu app acionado seus trajetos aparecem no mapa de calor divulgado na internet. Interessante também pensar sobre a possibilidade dos dados pessoais de usuários do aplicativo em questão irem parar nas mãos de um hacker a serviço de uma nação inimiga, o estrago seria enorme.

Abaixo o HEATMAP de área militar considerada estratégica. Por questão de segurança não será identificada. Observe que o é possível verificar que militares transitam com frequência por trajetos que não aparecem no mapa, ficam escondidos pelas árvores. 

heat map sociedade militar

Com o mapa de calor pode-se também – em tese – descobrir estradas que eventualmente sejam patrulhadas por se tratar de áreas sensíveis. Os heatmaps também permitem inferir onde os soldados trafegam pouco ou quase nunca dentro das instalações militares, o que é igualmente importante.

Mapa de calor do Posto Oceanográfico da Ilha de Trindade.

Com a aumento do uso de aplicativos já é comum que organizações militares passem e vetar o uso daqueles que fornecem dados de geolocalização, como fez o Exército dos EUA, que proibiu o POKemon GO e outros apps, como o FourSquare.

Robson Augustto Revista Sociedade Militar