Ciro quer ser o ANTI-BOLSONARO, quer ser visto como o único capaz de derrotá-lo

Quem não percebeu perceba. Ciro Gomes vai atacar cada vez mais inescrupulosamente Jair BOLSONARO, ele tentará concentrar em si os votos dos anti-direita, anti-Bolsonaro, petistas etc.

O objetivo dessa vez e usar suas próprias características, violento, boca-suja, sem escrúpulos, para ser visto como o único corajoso e forte o bastante para ganhar a briga.

Com métodos esquisitos ou não, criticados por muitos e elogiados por outros, a verdade é que a estratégia agressiva do capitão-deputado está dando certo. Hoje no país quando se fala em anti-PT se pensa em Bolsonaro, Quando se fala em votar a favor da família se pensa em Bolsonaro. Quando de fala em votar pela meritocracia se pensa em Bolsonaro. Quando se fala em patriotismo se pensa em Bolsonaro…

No contexto atual, o perfil descontrolado que vez por outra  atrapalha Ciro Gomes pode dessa vez ser usado para fazer com que pareça forte. Não estranhem se em um debate ele partir para as vias de fato e tentar agredir Jair Bolsonaro. Isso vai ser o êxtase para seus potenciais eleitores. Estes tendem a  se agarrar desesperadamente ao primeiro anjo – ou demônio – que os convença que pode defende-los contra o “apocalipse” que em sua mente manipulada ocorrerá se o capitão-deputado for o próximo presidente desse país.

Todos sabemos que para grande parte dos eleitores da esquerda pouco importa se o candidato é bom ou mau caráter, se já foi condenado ou se responde a processos.

A coisa é quase uma lei da física. O objetivo é ser o polo oposto, o anti-Bolsonaro e assim ser “atraído”, chegando ao segundo turno.

“Boçal despreparado” e “câncer a ser extirpado” foram algumas das frases já dirigidas por CIRO contra Jair Bolsonaro. Caberá ao capitão ser esperto, coerente e controlado o suficiente para não apimentar essa polarização. Se cair na provocação estará ele mesmo colaborando para que o político do PDT seja seu opositor no segundo turno.

Robson Augusto / Militar R1, Cientista Social, Jornalista //

Revista Sociedade Militar.

Comentários