UNAJUF repudia decisão de desembargador “do quinto …”

A decisão de libertar LULA, absurda e que enlameia mais ainda a já desacreditada justiça brasileira, foi derrubada pelo Desembargador Gebran Neto. Mas, entra para a história como mais uma armação sórdida de um partido politico que se comporta como se fosse uma quadrilha de bandidos. 


Carmem Lúcia emitiu nota mas na verdade se absteve de dizer algo concreto, não se posicionou sobre a questão em si, disse apenas o que todo mundo já sabe.  

“A Justiça é impessoal, sendo garantida a todos os brasileiros a segurança jurídica, direito de todos. O Poder Judiciário tem ritos e recursos próprios, que devem ser respeitados. A democracia brasileira é segura e os órgãos judiciários competentes de cada região devem atuar para garantir que a resposta judicial seja oferecida com rapidez e sem quebra da hierarquia, mas com rigor absoluto no cumprimento das normas vigentes”.


A Revista Sociedade Militar recebeu comunicado elaborado pela União Nacional dos Juízes Federais.

É preciso acabar com esse “quinto constitucional”

Abaixo o COMUNICADO da UNAJUF

A UNAJUF – UNIÃO NACIONAL DOS JUÍZES FEDERAIS – manifesta seu mais profundo repúdio diante da decisão proferida em plantão judiciário no âmbito do Tribunal Regional Federal da 4ª região que determinou a soltura do Sr. Lula esclarecendo ao povo brasileiro que a referida decisão não é juridicamente válida e tampouco merece qualquer crédito pelo seu caráter ilegal e manifestamente contrário aos princípios que regem decisões tomadas em sede de plantão judiciário, violando a sistemática de funcionamento prevista pelo Conselho Nacional de Justiça.

A decisão proferida pelo Desembargador, oriundo do chamado quinto constitucional, apenas demonstra que é necessária uma profunda reformulação do Poder Judiciário em razão do aparelhamento político que este órgão sofreu nos últimos 15 anos, colocando a nu situações esdrúxulas de indicações políticas.

Por fim deixamos nossos mais veemente repúdio pela afronta aos ditames da legalidade e sobretudo de honestidade que se espera de decisões judiciais.
Brasil, 08 de Julho de 2018.
UNAJUF
Revista Sociedade Militar

Comentários