TALIBÃ quer ser “legalizado” e insiste em encontro com lideranças dos EUA

TALIBÃ quer ser “legalizado” e insiste em encontro com lideranças dos EUA

Imagem: Mawlawi Jalaluddin Haqqani – considerado pelos talibã como símbolo da resistência 

No mês de julho desse ano é provável que tenham ocorrido reuniões secretas entre norte americanos e membros do grupo terrorista TALIBÃ. Membros do grupo terrorista relataram detalhes de uma reunião realizada em julho com a diplomata Alice Wells , a principal enviada de Washington à região .

O membro do grupo, que relatou os detalhes para a Associated Press do Catar, onde o Taliban mantém o seu gabinete político, disse que eles estão aguardando a resposta dos EUA para uma segunda reunião.

No encontro o TALIBÃ pediu o reconhecimento oficial de seu escritório na capital do Catar, Doha, e o reconhecimento de seus líderes. O grupo deve manter a exigência de libertação de cerca de 2 mil prisioneiros mantidos em prisões afegãs.

Os EUA tem interesse no resgate de prisioneiros mantidos pelo grupo, como Kevin King e o australiano Timothy Weeks, dois professores da Universidade Americana de Cabul.

O New York Times desse 11 de setembro informa que recebeu informações de fontes anônimas que os líderes do Taliban estavam se reunindo para discutir a composição da delegação de três ou quatro pessoas e os assuntos a serem discutidos em uma próxima reunião, ainda em setembro. “Esta reunião determinará as negociações futuras e veremos se os EUA são sérios e sinceros na negociação”.

Segundo o NYT “Eles disseram que o TALIBÃ gostaria de discutir uma troca de prisioneiros e poderia realizar uma nova reunião em breve, caso os Estados Unidos mostrassem seriedade nas negociações liberando prisioneiros.”

Há alguns dias o grupo publicou em seu site oficial uma advertência contra o que chama de omissão de membros da cruz vermelha que operam no país.  Alguns acreditam que a ação é para pressionar os EUA a realizar os encontros.

Na nota o grupo reclama que a entidade não se esforçou para atender a membros do Taliban que fazem greve de fome em prisões do Afeganistão.

“A Cruz Vermelha Internacional não tomou nenhuma medida médica e legal com relação aos problemas enfrentados pelos prisioneiros, bem como dezenas de outras pessoas gravemente doentes que não podem ser tratadas no hospital da prisão ou são deliberadamente retidas do tratamento por funcionários da prisão…” Diz o texto, encontrado em: http://alemarah-english.com/?p=33154

Revista Sociedade Militar – Com informações de NYT e fontes militares.

Dados: https://www.nytimes.com/reuters/2018/09/11/world/asia/11reuters-afghanistan-taliban.html

http://alemarah-english.com/?p=34103 

Comentários