Exército perfura poços na GUIANA e ameniza problema de populações indígenas locais

EXÉRCITO BRASILEIRO TERMINA PERFURAÇÃO DE POÇOS ARTESIANOS PARA MINIMIZAR EFEITOS DA SECA NO SUL DA GUIANA

Comunidade de Aishalton 

No dia 28 de novembro, foi realizada a cerimônia de encerramento da missão de Cooperação Técnica para minimizar os efeitos da seca na região Sul da Guiana. Os trabalhos consistiam da perfuração de 8 poços artesianos, instalação de bombas solares e o adestramento de pessoal.

Os poços foram instalados em oito comunidades: Bashaidrum, Maruranau, Shea, Aishalton, Awarewaunau, achawib, Karaudarnau e Churikadnau. No total, serão atendidas aproximadamente 5.500 pessoas.

Essa missão iniciou-se em 1º de outubro de 2018 e englobou 48 militares e um funcionário civil, sendo 40 militares do 6º Batalhão de Engenharia de Construção (6º BEC), um oficial médico do 2º Grupamento de Engenharia (2º Gpt E), três militares da 21ª Companhia de Engenharia de Construção, três militares do 1º Batalhão de Engenharia de Construção (1º BEC) e um Sargento do 1º Grupamento de Engenharia.

A capacitação de pessoal para manusear e manutenir as bombas teve a participação de 23 militares da Força de Defesa da Guina (GDF), cinco integrantes da Agência de Meteorologia da Guiana e quatro integrantes da Empresa de Água da Guiana. Durante 50 dias de instrução, eles aprenderam sobre: as características do solo; técnicas e equipamentos de perfuração; insumos para poços artesianos; manutenção de poços; manutenção de equipamentos de perfuração; segurança no trabalho e prática de perfuração. Foram um total de 384 horas de instruções teóricas e atividades práticas.

Na cerimônia de encerramento, estavam presentes o Ministro do Exterior da Guiana, Carl Greenidge; o Ministro de Estado da Guiana, Joseph Harmon; o Embaixador do Brasil na Guiana, Lineu Pupo de Paula; o General de Brigada Marcus Vinícius Fontoura de Melo, Comandante do 2º Gpt E; o Comandante do 6º BEC, Tenente-Coronel de Engenharia Vandir Pereira Soares Júnior; o Adido de Defesa da Embaixada do Brasil na Guiana Coronel Emerson Dêni da Silva; e autoridades locais.

Os líderes indígenas das comunidades beneficiadas, Tuchauas, manifestaram sua gratidão pela excelência do trabalho realizado por meio de uma apresentação cultural e ofereceram a todos os integrantes do destacamento brasileiro um laço artesanal feito com materiais da região.

O ministro das relações do Exterior da Guiana, em suas palavras de agradecimento, enunciou: “graças ao trabalho em conjunto entre guianenses e brasileiros, a população local não será afetada pela seca da forma como era antes, obrigado ao Brasil e ao 6º BEC”.

Indicação de artigo recebida da Agência Verde Oliva – Link: http://www.eb.mil.br/web/noticias/noticiario-do-exercito/-/asset_publisher/MjaG93KcunQI/content/id/9418007