“Policiais são responsáveis pelo aumento de fuzis nas mãos dos traficantes”, diz “especialista”

“Policiais são responsáveis pelo aumento de fuzis nas mãos dos traficantes”, diz “especialista”

É assustador o número de “especialistas” em segurança que surgem na grande mídia brasileira. A maior parte deles nunca entrou numa favela, nunca teve que se abrigar durante um tiroteio e sequer colocou as mãos em uma arma de fogo.

Labelling approach ou teoria do etiquetamento social 

A maior parte dos especialistas de telejornal são partidários das teorias de Alesandro Baratta, marxista que acredita que o criminoso na verdade é vítima do que chama de “um processo de etiquetamento” feito pela classe dominante.

Sílvia Ramos, cientista política, em entrevista À REDE GLOBO, diz que o marginal compra fuzis por culpa da polícia. 

Em 2013 a especialista havia sido bastante criticada por que havia acusado a polícia carioca de ser culpada pelas depredações ocorridas nas grandes manifestações. Para ela a polícia teria se omitido no inicio das manifestações com vandalismo porque desejaria uma desculpa para agir com violência em momentos posteriores.

“Ao ponto de nos perguntarmos se a omissão não seria uma estratégia para angariar apoio na opinião pública para agir com excessos e violência nas manifestações seguintes…” disse.

Agora Sílvia volta a criticar as forças de segurança. Para ela somos os responsáveis pelas armas de guerra nas comunidades. Afinal, os marginais precisam se defender da polícia e das Forças Armadas.

“…as políticas de segurança acabam estimulando os criminosos a comprarem mais fuzis para combater os fuzis das forças de segurança…” 

Revista Sociedade Militar