“Mais de 200 mil (criminosos) em armas…” Coronel e Procurador Federal explicam o caos no CEARÁ

“Mais de 200 mil (criminosos) em armas…” Coronel do Exército e Procurador Federal explicam o caos no CEARÁ

Entenda o motivo da revolta ocorrida no CEARA por ordem de organizações criminosas.

Coronel (EB) Fernando Montenegro e Procurador Fabio Costa Pereira

Proc. Fabio Costa: No Brasil especialista em segurança são os policiais…. Isso não é surpresa. Qualquer analista mediano sabe que isso aconteceria… aconteceu em 2006 em São Paulo onde durante 2 semanas literalmente caçaram e mataram policiais… Não se deve chamar essas organizações e corporações criminosas de facções… elas são organizações e corporações criminosas… família do norte, mais de 200 mil homens em armas e que movimentam milhões de reais todos os dias, com orçamento maior do que muitas cidades e do que muito estados.

Durante muitos anos no Brasil me parece que de forma até dolosa essa questão prisional foi abandonada… a sinalização que o estado dá para o criminoso é que o estado é fraco e que o estado não pune…. essa sinalização reflete no presídio, quem manda nas casas prisionais não é o estado, quem manda são os presos e é um negócio milionário. Todo mundo sabe no Brasil que a violência de rua é comandada pelas casas prisionais. Nos crimes mais estruturados sempre vai haver a presença de agentes públicos.

Abaixo pode-se ver internos se insubordinando no presídio de Blumenau, no Estado de Santa Catarina em ação do GTI.

Há um sistema corrupto e corruptos onde há esse compadrio na relação público privado. Se os presos hoje comandam presídios não foi porque tinha o poder para tal… porque o estado pura e simplesmente se afastou das casas prisionais… o que acontece no Ceará é uma reação dos presos quando o estado diz o óbvio: OLHA, PRESO ESTÁS E PRESO TENS QUE FICAR, PRESO TEM QUE CUMPRIR REGRAS…

Coronel Fernando Montenegro: No passado a gente começou a primeira semana do ano com massacres dentro de presídios… começou em Roraima e depois uma onda de massacres em Manaus… quebra-cabeças de corpos humanos, empilhavam membros, braços, cabeças… Rio Grande do Norte… Alcaçuz, fraqueza muito grande do governador do estado, ele ficou patinando na hora de fazer uma intervenção e aquilo se arrastou por suas semanas.

Essa crise no RGN acabou tendo como um dos principais protagonistas na solução um Senhor chamado Luis Mauro de Albuquerque… ele colocou algumas regras interessantes… o preso passa a ter uma rotina 24 horas por dia, tirou celulares, televisões, proibiu a entrada de mulheres… colocou os presos para fazer faxina, limpeza de esgoto, capinar o mato etc., demitiu os agentes corruptos, valorizou os comprometidos, investiu em equipamentos… e acabou com os privilégios que tinham alguns “presos de confiança”…

Abaixo foto de cartaz pregado em local público no Ceará. Circula nas redes sociais . Notem que criminosos pedem a exoneração de Mauro de Albuquerque, acima citado por F.Montenegro

Montenegro continua: Esse senhor foi levado para o Ceará e passou a ser o Secretário de Administração Prisional e agora, justamente nessa semana… ele já anunciou que ia fazer a mesma coisa… o que ocorreu? As 3 principais organizações criminosas do Ceará, que são rivais e se matavam, se juntaram pra fazer essa pressão frente ao governo e acabaram desencadeando esse “salve”… queimando viaturas, atacando estabelecimentos públicos etc. Cidades do interior… onde eles destruíram toda a frota do município. Ônibus, viaturas administrativas, ambulâncias.

O estado não pode se submeter a esse tipo de coisa isso é uma reação natural, conseqüência do fato do governo do estado ter deixado correr frouxo… uma certa… covardia do pessoal de lá. Há uns dois anos atrás quando iam ser votadas medidas mais duras quanto ao pessoal dos presídios foi deixado um carro bomba na frente da Assembléia Legislativa do Ceará e o pessoal não fez a votação, que é uma sinalização típica de covardia, de omissão. O estado tem que realmente recuperar a credibilidade, a força para que a população não fique refém… O presídio tem que ser presídio, não pode ser um quartel general de onde saem as ordens.

A entrevista completa pode ser assistida abaixo

Revista Sociedade Militar