Nomeação de ativista pró-liberação das drogas e anti-armas feita por MORO gera reclamações nas redes e muitas ligações para políticos do PSL

No Rio de JANEIRO as redes sociais estão aquecidas. Muita gente não se conforma com a nomeação da autoproclamada “empreendedora cívica” Ilona Szabó, liderança do Instituto Igarapé para o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária 

A ativista é definitivamente contra o porte de armas e atuou intensamente contra a eleição de JAIR BOLSONARO.

Jair Bolsonaro ao conversar com Sérgio Moro antes da nomeação do mesmo para o ministério da justiça foi bem claro ao dizer que era o juiz que escolheria sua equipe e que não se intrometeria em suas ações. Sabe-se também que o presidente deve a Sérgio Moro grande parte do alto índice de popularidade que mantém. Portanto, ninguém cogita que o Palácio do Planalto vete a nomeação.

Diz a lei de execuções penais (Art. 63.) que “o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária será integrado por 13 (treze) membros designados através de ato do Ministério da Justiça, dentre professores e profissionais da área do Direito Penal, Processual Penal, Penitenciário e ciências correlatas, bem como por representantes da comunidade e dos Ministérios da área social…”

Alguns já enxergam na nomeação alguma estratégia de Sérgio Moro, já que o conselho é formado por mais 12 membros além de Szabó. Moro é juiz, mas tem – todos sabemos – um quê de político.

Ressalto aqui que a instituição tem que ser um órgão multidisciplinar. Sérgio Moro não é uma criança e é reconhecido como um dos homens mais inteligentes e populares do país, e forte candidato à próxima nomeação para o Supremo Tribunal Federal. Lembro também que Szabó foi nomeada como suplente. O juiz pode ter enxertado a ativista para dar ao órgão um tom mais plural, colocando-a justamente para ter por perto o contraditório e assim aquietar a esquerda e membros de movimentos sociais que tem como praxe alegar que não são ouvidos.

Obviamente não haveria qualquer pluralidade em se colocar somente ativistas pró-armas, pessoas que desejam pena de morte, prisão perpétua e ativistas 100% Bolsonaro. Já dizia um filósofo que toda unanimidade é burra.

Ha apenas algumas semanas Szabó disse que é “ preocupante o aumento de 5 para 10 anos o período para renovar o registro da posse de armas.

A ativista é a favor da liberação das drogas e contra a redução da maioridade penal.

Abaixo o nome de todos os novos membros nomeados por Sérgio Moro

Designar para compor o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, para mandato de dois anos:

I – na qualidade de membro titular:

a) Rodrigo Sánchez Rios;

b) Walter Nunes da Silva Junior;

c) Paulo Eduardo de Almeida Sorci; e

d) Danilo Pereira Junior.

II – na qualidade de membro suplente:

a) Gilmar Bortolotto;

b) Ilona Szabó de Carvalho;

c) Pery Francisco Assis Shikida;

d) Wilson Salles Damázio; e

f) Aléssio Aldenucci Junior.

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

Robson Augusto – Cientista Social jornalista – Militar R1

Revista Sociedade Militar