O Brasil reagirá em caso de afronta venezuelana? Maduro colocou civis ao redor de BASE militar para desestimular ataque

O Brasil reagirá em caso de afronta venezuelana? Chaves e Maduro estrategicamente posicionaram residências civis em BASE militar para desestimular ataque

Os brasileiros tem relutado em permitir que os EUA enviem militares para Roraima para as ações de ajuda humanitária em favor do povo venezuelano. Militares brasileiros querem evitar ao máximo animosidades e possibilidade de confronto. Informa-se que venezuelanos posicionaram um sistema estratégico importante, os S-300MV, bem próximo da fronteira. Isso para alguns é uma clara provocação. Mas, para militares brasileiros – coerentes – não passa de pirotecnia para atiçar a mídia. A Venezuela estaria em larga desvantagem em um eventual embate com o nosso país e – ainda que se mostrem desonestos – seus generais não devem ser burros, ou suicidas. 

As forças armadas do Brasil são bastante superiores às forças armadas venezuelanas. Por mais que tente se exaltar aeronaves e algum armamento russo que exista no arsenal venezuelano isso não é nem de perto o suficiente para fazer frente às forças armadas brasileiras. Russos jamais se intrometeriam em um conflito local aqui bem debaixo das “barbas” dos norte americanos, como especulam alguns.

Em caso do Brasil sofrer algum tipo de afronta séria, a preservação da sociedade civil venezuelana, que provavelmente será colocada estrategicamente em zonas de combate – será o maior dos incentivos para que militares brasileiros permaneçam retraídos.

Especialistas militares comentam que a covardia do governo venezuelano é tão grande que chegou a incrustar diversos conjuntos habitacionais civis dentro do complexo militar de TIUNA (o mais importante) para que se desestimule qualquer tipo de ataque aéreo.

Tiuna chegou a ser invadida pelo grupo de Oscar Perez. O grupo retirou do 311º Batalhão fuzis e munição em agosto de 2017.

O espaço aéreo sobre a Venezuela está fechado. Pela imagem abaixo percebe-se somente uma aeronave comercial sobrevoando o território governado por Nicolás Maduro. O avião, um embraer da Copa Airlines vai do Panamá para Trinidad e Tobago.

Revista Sociedade Militar