Notícias Militares - Segurança Pública - Política - Geopolítica

PRESIDENTA e SARGENTA? –  Alana Passos (PSL) e outras deputadas cariocas querem inclusão do gênero FEMININO na redação usada para cargos empregos, postos, graduações…

>>> —  VEJA:  DEPUTADA Alana Passos RETIRA assinatura de projeto sobre sobre UTILIZAÇÃO DA LINGUAGEM NÃO SEXISTA


PRESIDENTA e SARGENTA? –  Alana Passos (PSL) e outras deputadas cariocas querem inclusão do gênero FEMININO para cargos empregos, postos e graduações.

A deputada ALANA PASSOS (PSL), militar do exército brasileiro e uma das mais votadas do estado, ela recebeu mais de 106 mil votos. O primeiro projeto apresentado pela parlamentar é sobre o que chama de “linguagem sexista”. A sargento do exército é uma das co-autoras do projeto 43/2019, sobre UTILIZAÇÃO DA LINGUAGEM NÃO SEXISTA, que foi apresentado para apreciação na Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

O projeto diz que o uso de termos como HOMEM e professor, no sexo masculino, na prática estaria tornando menor a importância das mulheres. Propõe, entre outas coisas, que sejam incluídos os termos no masculino e feminino com respectivas concordâncias.

Na  prática se institui os termos PRESIDENTA, SARGENTA, coisa que tanto criticamos!” diz um eleitor do PSL nas redes sociais.

“… Não é difícil identificar nos documentos oficiais das repartições o uso do masculino como linguagem universal e ‘neutra’ ”,  alegam Mônica Francisco, Renata Souza, Dani Monteiro, Enfermeira Rejane, Alana Passos, Martha Rocha, Marina, Zeidan Lula, Lucinha.

Diz o documento: “inclusão dos gêneros feminino e masculino, com as respectivas concordâncias, na designação, geral ou particular, dos cargos, dos empregos e das funções públicas e dos postos, patentes e graduações” e

“Uma das formas mais sutis – mas também mais efetivas – de tornar permanente a desigualdade entre homens e mulheres é justamente a linguagem. Quando dizemos “o homem” em referência à humanidade, estamos, na prática, estabelecendo que o masculino é a referência da sociedade. Este é só um exemplo de como uma linguagem sexista reforça a desigualdade entre os sexos, ao invisibilizar a presença e participação das mulheres em diferentes nos espaços.”

Veja o texto

PROJETO DE LEI Nº 43/2019 – EMENTA:

DISPÕE SOBRE A UTILIZAÇÃO DA LINGUAGEM NÃO SEXISTA ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Art. 1.º Esta Lei dispõe sobre a utilização da linguagem não sexista na redação de atos normativos de editais e de documentos oficiais no âmbito da Administração Pública Estadual.

Parágrafo único. Para os efeitos desta Lei, entende-se por linguagem não sexista ou não discriminatória aquela que utiliza uso de vocábulos com marcação explícita dos gêneros feminino e masculino, de forma simétrica e paralela, em substituição a vocábulos de flexão masculina comumente usados de forma universal.

Art. 2.º Para os fins do disposto nesta Lei, são objetivos da linguagem não sexista:

I – contribuir para uma cultura de igualdade entre homens e mulheres, por meio da linguagem não sexista.  II – a disseminação do uso dos dois gêneros, para os casos de pluralização, ao invés do uso do gênero masculino;  III – a utilização do gênero feminino para toda referência à mulher;  IV – a não utilização do termo “homem”, para fins de referência a pessoas de ambos os sexos, substituindo pela forma inclusiva “homem e mulher”; V – a inclusão dos gêneros feminino e masculino, com as respectivas concordâncias, na designação, geral ou particular, dos cargos, dos empregos e das funções públicas e dos postos, patentes e graduações; Art. 3.º Os nomes dos cargos, empregos, funções e outras designações que recebam encargos públicos da Administração Pública Estadual, inclusive as patentes, postos e graduações dos círculos e escala hierárquica da Brigada Militar, deverão conter a flexão de gênero, de acordo com o sexo ou identificação de gênero do ocupante ou da ocupante.

Parágrafo único. Para fins do disposto no “caput” deste artigo, quando da referência a cargo, emprego ou função pública ou posto, patente ou graduação da Brigada Militar, far-se-á a devida flexão do respectivo gênero de acordo com o sexo ou identificação de gênero do ocupante ou da ocupante, utilizando recursos de flexão e concordância da língua portuguesa.

Art. 4.º Os órgãos da Administração Pública Estadual deverão utilizar a linguagem não sexista na elaboração das normas que regulamentam as carreiras profissionais e na elaboração de tabelas e de quadros de pessoal e suas respectivas descrições de atribuições.

Art. 5.º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Plenário Barbosa Lima Sobrinho, 07 de fevereiro de 2019.

Revista Sociedade Militar

Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

Mais acessados da semana

To Top