“Iremos deter MADURO” – Departamento de ESTADO dos Estados Unidos da América

Mensagem de Robert Palladino – porta voz do dept. de Estado dos EUA – para a imprensa mundial diz que Os Estados Unidos estão seriamente preocupados com o bem-estar e a segurança de cidadãos norte-americanos detidos por NICOLÁS MADURO. Palladino diz que autoridades carcerárias venezuelanas estão impedindo que advogados e familiares forneçam alimentos e até que entrem em contato rotineiramente.

Um trecho do comunicado a imprensa chama a atenção e ser um indício de que os Estados Unidos estão chegando em seu limite de tolerância. 

“Iremos deter Maduro e seus funcionários prisionais para dar conta de sua segurança e bem-estar”.

Apelamos às forças de segurança e funcionários da prisão para permitir que os detidos dos EUA recebam assistência dietética suplementar através das suas famílias ou de seus advogados, para garantir que tenham acesso a cuidados médicos e para proporcionar a estes indivíduos um processo judicial justo e transparente… A segurança e o bem-estar das pessoas dos EUA no exterior estão entre as maiores prioridades do Departamento de Estado. O Departamento de Estado continua pressionando as autoridades venezuelanas para garantir a segurança e o bem-estar das pessoas detidas na Venezuela.

Entre outros casos Palladino lembra do cidadão americano Todd Leininger, que apesar de um tribunal venezuelano ter ordenado sua libertação em 5 de novembro de 2018 até agora permanece preso.

Todd Leininger é um instrutor de dança de Bloomington, Indiana. Ele viajou em 2004 para a cidade de San Cristóbal, no oeste da Venezuela com sua esposa venezuelana para visitar sua família e foi preso por acusações forjadas de terrorismo.

Na época jornais venezuelanos disseram que ele é um mercenário: “Mercenario capturado en Táchira está vinculado a la extrema derecha venezolana

Texto do Departamento de Estado

Revista Sociedade Militar