REESTRUTURAÇÃO – CPI do apagão aéreo já havia apresentado solução para a insatisfação das Praças das Forças Armadas Brasileiras

REESTRUTURAÇÃO dos MILITARES – CPI do apagão aéreo já havia apresentado solução para a insatisfação das Praças das Forças Armadas brasileiras

Falta plano de carreira” e “salário não é hierarquia”, diz Moraes, vice-presidente do DEM de CANOAS, que é suboficial R1 da Aeronáutica.

A CPI do apagão aéreo, que identificou as falhas e necessidades no que diz respeito ao controle do tráfego aéreo, em relatório apresentado ainda em 2007 deixou uma importante sugestão para as Forças Armadas, por poucos percebida. Os parlamentares apresentaram a proposta de uma reestruturação na carreira das praças das forças armadas que – segundo explica o suboficial Moraes – se aprovada e estendida a todas as três forças, definitivamente acabaria com o desestímulo e evasão.

Depoimentos á CPI feitos por sargentos da FAB denunciaram falta de reconhecimento, excesso de horas trabalhadas e baixíssimos salários, levando em consideração a responsabilidade da atividade militar.

“a falta de atratividade da carreira decorrente dos baixos salários em contraposição à grande responsabilidade com que devem ser exercidas…” disse um sargento em depoimento à CPI.

Militares nas últimas graduações são altamente especializados, a maior parte possui cursos superiores, mas por tradição no Brasil são impedidos de avançar e de receber soldos maiores até do que jovens alunos de centros de formação de oficiais. A carreira dos graduados no Brasil acaba na graduação de suboficial e essa barreira para a esmagadora maioria é praticamente intransponível.

Nos EUA as carreiras das praças chegam até o Chief Master Sergeant, que recebem salários similares ao de capitão. São militares altamente especializados que – por conta do reconhecimento – não têm “pressa” de abandonar as fileiras das Forças Armadas. O fato de receberam salários maiores do que recebe um tenente em nada afeta a hierarquia e disciplina, que por lá também são pilares observados rigorosamente.

Após constatar a insatisfação das praças da FAB a CPI do tráfego AÉREO apresentou a seguinte sugestão para a carreira dos graduados

Afirmam que a insatisfação também se dá em razão do pequeno número de vagas destinadas à ascensão dos suboficiais ao oficialato… A sugestão da Arfamil espelha-se no plano de carreira dos quadros das forças armadas norte-americanas, em que há 9 níveis de graduações…

1) Suboficial Master (SM) – soldo de capitão + gratificações (salário final igual ao de Capitão).

2) Primeiro-Suboficial (PS) – soldo de primeiro-tenente + gratificações.

3) Segundo-Suboficial (SS) – soldo de segundo-tenente + gratificações.

4) Suboficial (SO) – soldo de SO + gratificações.

5) Primeiro-sargento (1S)- soldo de 1S + gratificações.

6) Segundo-sargento (2S)- soldo de 2S + gratificações.

7) Terceiro-sargento (3S) – soldo de 3S + gratificações.

Interstícios

  • de Terceiro-sargento a suboficial – Interstícios de 05 anos entre as promoções. 2) Suboficial atual até suboficial-master – Interstícios de 04 anos entre as promoções. 3) Para os atuais suboficiais com 30 anos de serviços a promoção passaria automaticamente a Suboficial master.

Alguns militares ouvidos pela RSM acreditam que uma reestruturação desse tamanho é necessária sim para que nossos militares profissionais sejam realmente reconhecidos e recompensados mas ao mesmo tempo dizem que é difícil de ocorrer no Brasil dado a situação econômica atualmente vivida. “em futuro próximo quem sabe, quando o pais estiver em melhores condições financeiras“, diz um SO R1da MB .

Revista Sociedade Militar