Clube MILITAR convoca para manifestação. Militares não defendem fechamento do Congresso e Supremo Tribunal

Clube MILITAR convoca para manifestação. Mas, militares não defendem fechamento do Congresso e Supremo Tribunal.

gostaria de ressaltar que defendemos o diálogo e o entendimento entre os poderes… não admitimos autoritarismo e muito menos qualquer ameaça contra entes da república .Estaremos lá para demonstrar nosso apoio ao presidente Bolsonaro“, diz Paulino, um sargento que organiza um grande grupo de militares que vai para Copacabana no dia 26.

A nota divulgada pelo Clube Militar foi: “O Clube Militar, tradicionalmente preocupado com os assuntos atinentes ao desenvolvimento da Nação Brasileira, vem convocar seu Quadro Social e convidados a participarem das manifestações a serem levadas a efeito em todo o território nacional, apoiando o Governo Federal na implementação das reformas necessárias à governabilidade. Participe em sua cidade!”

Mais uma vez circulam textos mentirosos, provavelmente da malta que tenta há anos atirar o país num estado de calamidade, numa guerra intestina. Esse grupo alega ser de direita mas não tem qualquer escrúpulo ao tentar impor sua visão de mundo.

Texto falsamente atribuído ao General Pimentel. Sem pé nem cabeça, o texto erra em dizer que Pimentel é o presidente do Clube Militar, erra o posto do general e erra na grafia de várias palavras.

 “Meus amigos de trincheiras, em um momento de instabilidade nacional em que o País passa, eu colocarei aqui alguns pontos muito importantes que estão engasgados na garganta. Com 41 anos de carreira militar, desde que ingressei ainda em nosso glorioso Regime Militar Democrátco aos 18 anos, no Exército, e por meritocracia cheguei a General de Brigada do Exército Brasileiro e agora sigo atuando pelo comando de presidir o nosso Clube Militar.

Eu nunca vi o que está acontecendo com a nossa Pátria… Querendo amordaçá-los com suas focinheiras escrotas de autoritarismo barato. Isso é um absurdo! Quero alertá-los que dentro do Clube que estou a servir, isso caiu como um martelo no centro dos Generais, que já se levantaram e intmaram até mesmo o Chefe de Estado que esteve conosco semana passada. Viu-se no próprio Presidente da República, o temor e o medo de se expressar contra essa corja de canalhas. Sabendo disso Senhores, o próprio Chefe de Estado se assim posso usar essa expressão: “Está em um mato sem cachorro”. Alguém terá que parar esses inescrupulosos homens-deuses. Nós juramos defender a Pátria custe o que custar. E assim começou em 1964 o senhores meus amigos sabem muito bem.”

Revista Sociedade Militar