Forças Armadas

“todos nós somos iguais” PL-1645 – Carta de suboficial do Quadro Feminino da FAB …

Prezados Irmãos de Armas!

Penso que todo Suboficial deve receber um salário igual, independente da especialidade ou Força à qual serve.

Eu entrei como sargento enfermeira na 1a Turma do Corpo Feminino da FAB. Ficamos na Escola (CIGAR-BH, atual CIAAR-LS) apenas um semestre, porque já tínhamos o curso de 2° grau e o curso técnico exigido, bastava, portanto, a adaptação militar. E isso, graças à nossa competência e dedicação, conseguimos com sucesso, abrindo portas para as demais mulheres, inclusive de outras forças.
______Sou também advogada, pedagoga, educadora física, Guia Nacional de Turismo etc.
E na FAB fiz todos os cursos possíveis, relacionados à enfermagem e à instrução.
Sou uma Suboficial considerada “Bombril” (mil e uma utilidades).

Fiz o curso de Escalador Militar (Montanha) do Exército Brasileiro, Cursos de prevenção e combate a incêndios florestais e prediais com os Bombeiros de MG, Curso de Resgate da Cruz Vermelha, Curso de Emergências Aeronáuticas, Cursos de Padronização de Monitores, Instrutores e Técnicas de ensino, etc. Tornei-me instrutora de todas as turmas subsequentes da FAB, inclusive de oficiais.

Veja:Militares otimistas após reunião com Líder do Governo sobre mudanças no PL1645/2019

Enfermagem é uma especialidade que “rala” demais! Além dos altos riscos e responsabilidade da profissão, das várias e diversas escalas de um hospital (plantões, sobreaviso, transporte de pacientes, comissões, cursos, etc), o militar enfermeiro ainda concorre às escalas do quartel (formaturas, comissões de seleção, concursos, treinamentos, voos, eventos sociais, solenidades, testes físicos, etc).

No Parque de Material Aeronáutico de Lagoa Santa (PAMA-LS), depois de 20 anos trabalhando no hospital e ministrando instrução no Parque e em outras Organizações, fui convidada e assumi, com muito orgulho e satisfação a função de subcomandante da Companhia de Infantaria, tornando-me a primeira mulher a ocupar uma função assim nas Forças Armadas. Coroei minha carreira com esse honroso cargo. Sempre fui muito vibradora!

E, por último, trabalhei como encarregada da Seção de Cursos, Treinamentos e estágios do PAMA-LS.

Fazia palestra anualmente na Escola de Especialistas da Aeronáutica, a EEAR, e coordenava cursos de Mecânica geral das Aeronaves T-25 Universal, T-27 Tucano, A-29 Super Tucano e C-98 Caravan, na Academia da Força Aérea em Pirassununga, Base Aérea de Manaus, Base Aérea de Santa Cruz e Base Aérea de Natal. Ficava fora de casa em média 25 dias úteis para cada missão dessa. Perdi muitos aniversários e outras datas especiais de meus três filhos e demais familiares. E não recebia diárias. Era comissionamento. Posso afirmar que não me arrependo dessa sagrada profissão que abracei.

Amo a FAB! Meu sangue, minha pele e meu corpo são azuis.

Respeito e tiro minha cobertura para os irmãos de farda de todas as Forças. Mas, repito: considero que todos nós somos iguais e já que temos as mesmas obrigações, merecemos os mesmos direitos.

Estamos juntos em mais essa luta!
Suboficial Ref Beatriz. 

Parque de Material Aeronáutico de Lagoa Santa, MG. PAMA-LS.
Força Aérea BRASIL!

Revista Sociedade Militar

Veja: ARTIGOS RELACIONADOS AO PL1645/2019

Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

Mais acessados da semana

To Top