Forças Armadas

COLETÂNEA NAÇÃO ARMADA/GENERAL PAULO CAMPOS PAIVA/SEGUNDA E ÚLTIMA REMESSA

 
COLETÂNEA NAÇÃO ARMADA/GENERAL PAULO CAMPOS PAIVA/SEGUNDA E ÚLTIMA REMESSA

MENSAGEM FINAL
GENERAL-DE-EXÉRCITO REFORMADO PAULO CAMPOS PAIVA
FONTE “REVISTA DO CLUBE MILITAR”

  
Sinto a necessidade de colocar aqui algumas apreensões e questionamentos quanto ao futuro que estaria reservado à nacionalidade brasileira e ao nosso País. Retornei da Itália, comungado, com a esmagadora maioria dos veteranos da FEB, no sentimento de fé quanto aos destinos de grandeza da Pátria, com o Brasil evoluindo, na segunda metade do século, de uma potência continental para uma outra de nível, pelo menos, equiparado aos de grandes potências como a Inglaterra e a França. Isto, infelizmente, não é a realidade que estamos vivendo hoje.

Mas as ameaças, neste início de milênio, entretanto, continuam aí, ganhando força, a cada dia, a cobiça internacional pela Amazônia,sem que se disponha de um poder de dissuasão compatível com a atual projeção do País no contexto mundial. É de se perguntar se a estratégia que nos resta para fazer frente nos dias atuais, a uma “santa aliança” de potências nucleares no TO Amazônico”, à semelhança da adotada pelo vietcong na Indochina, é realmente a melhor indicada, ainda mais quando essa implica numa guerra de desgaste, de longa duração, impondo sacrifícios ao povo brasileiro nos 4 (quatro) campos do poder, sobre-humanos e incalculáveis, tiranicamente superiores aos que nos foram exigidos durante a II GM.

É bom visualizar que agora a composição de forças não é mais como a que havia no Vietnã. Naquela época a luta era de “Davi contra um único Golias”. Este último completamente desgastado e sem apoio da opinião pública mundial.O “Golias”, nos dias atuais, foi multiplicado, no mínimo, por 7(sete), não sendo difícil obter o beneplácito da comunidade global contra brasileiros, acusados como “destruidores da flora e da fauna”. Em Londres, não é novidade, já circulam automóveis com adesivos nos vidros, contendo mensagens do tipo: – “Salve Floresta Amazônica, queime um BRASILEIRO”.

É de se questionar, também, posto que, praticamente, já tendo alcançado o limiar do domínio da tecnologia do enriquecimento de urânio,se não seria aconselhável denunciarmos tratados que, longe de afastar o perigo de uma hecatombe, apenas nos submetem, impondo-nos uma “soberania limitada”, motivo de afronta aos que, empunhando armas, deram sua vida pela manutenção de uma soberania que,  na década de “40”, não admitia restrições, fossem estas quais fossemEm assim sendo, sou levado a crer que uma opção, como a que fizeram indianos e paquistaneses ou, até mesmo, desenvolver uma guerra química-bacteriológica-radiológica (GQBR), com alto grau de letalidade, como nosso trunfo, constituiria linha-de-ação mais simples, de efeito dissuasório mais imediato e de consequências menos onerosas em termos de sofrimentos e de vidas humanas.

Será que já fomos cerceados, também, nessa direção pela “guarda pretoriana” do primeiro mundo? Se não, por que optamos, de forma a poupar a nacionalidade brasileira de um holocausto sem par, de uma sangueira sem limites, como só poderá ocorrer no País no caso da necessidade de transforma-lo num Vietnã?Por que não aliciarmos a Argentina e o Chile em projetos desta natureza? O MERCOSUL, á semelhança dos outros grandes blocos econômicos, não deve possuir um poderio militar que o alicerce? A própria África do Sul, por que não criarmos um novel bloco de poder, no Atlântico Sul, com esses países?

A grande verdade é que nenhuma “santa aliança” de grandes potências ousa intervir ou, mesmo, se imiscuir nos assuntos internos de uma Rússia, ainda que decadente, ou de potências nucleares emergentes como a Índia e o Paquistão.A propósito, por que seriam, indianos e paquistaneses, mais competentes do que brasileiros (detentores da oitava economia mundial), a ponto de conseguirem resistir às pressões internacionais contrárias á consecução e manutenção de objetivo nacional de tamanha relevância, qual seja o de dotar sus países de poder militar inquestionável pelos atuais árbitros do porvir da comunidade global?

Não há como questionar porém que, hoje, apenas potências nucleares podem impedir a consecução de nossos objetivos nacionais ou ameaçar nossa soberania. Desta forma, é para fazer frente às pressões, escudadas em seu poderio, que devemos estar preparados. Isto posto, não se pode admitir que o Brasil, ao final do Século XX, no início do III Milênio, continue o mesmo “gigante pela própria natureza” ainda sem garras, o de sempre “”impávido colosso” ainda sem presas, não para atacar, para ferir,mas para se defender  de oponentes que não têm o mínimo constrangimento em intervir a “manu militari” em outras nações, invocando dogmas e princípios de direito internacional que só respeitam quando são do seu interesse!

Será tão difícil pressentir que estamos, cada vez mais, trilhando um caminho sem retorno, comprometendo a altivez e o próprio futuro das gerações que estão por vir? O País já não consegue distinguir se, feliz ou infelizmente, tem o que defender! Acontece que temos muitíssimo o que defender! Um Centro-Sul desenvolvido e uma Amazônia entesouradaque não podem ser mantidos apenas com paus e pedras ou confiando somente na diplomacia. Esta, por sua vez, para falar de igual para igual, sem constrangimento, com os atuais “senhores da paz e da guerra”, tem que ser apoiada em poder militar de peso mas nunca em tratados de limitação de armas, que só favorecem, em última instância, a notórios mercadores da morte.

Mas, e na Amazônia, o chamado “pulmão do mundo”? Como ter certeza da eficiência e da eficácia de uma estratégia nestes moldes (vietcong), se ainda viabilizamos o adestramento na selva para militares de países que, sabemos pela declaração de seus governantes, não hesitam em afirmar que ä região é “patrimônio da humanidade”, sendo descabida a pretensão de nós, brasileiros, de a considerarmos como sendo apenas nossa? Se somos cerceados no direito de possuir um poder de dissuasão eficiente, eficaz e imediato para a garantia da Amazônia, não seria uma temeridade admitir que o inimigo mais provável seja treinado e ambientado num tipo de guerra estratégica que entendemos como sendo a única, “que nos foi permitida”, para se fazer frente a uma ameaça naquela região? Não estaríamos assim, de boa fé, inocentemente, expondo o flanco ou, quem sabe, admitindo um “cavalo de Tróia”?

Independentemente do nível de conhecimentos ministrados nesse adestramento, não se pode deixar de considerar o gabarito desses militares estrangeiros, em sua esmagadora maioria integrantes de unidades de elite em seus países, alguns, não há como duvidar, especialistas na “área de inteligência”, com reais possibilidades de, durante o decorrer do mesmo, levantarem dados, informes e informações valiosas que, fatalmente, comprometerão o próprio desencadeamento de uma reação nos moldes que foram planejados.

Existe hoje uma corrente de opinião que, lamentavelmente, de forma desavisada e leviana, acredito que involuntariamente e de boa fé, fazendo as vezes de uma “quinta coluna”, procuram minimizar a possibilidade de uma intervenção por potências estrangeiras na Amazônia. Argumenta esta “corrente” que, como estão conseguindo extrair, sorver e transladar tudo que dela precisam, sem dar um tiro, àquelas potências não interessaria uma escalada do tipo militar na região. A este segmento de “cépticos incuráveis”, gostaria de lembrar que, em”7 de dezembro de 1941”, o embaixador japonês em Washington ainda não havia formalizado o estado de guerra e a força aeronaval nipônica já estava a bombardear a base naval americana em Pearl HARBOR.

E a queda do muro de Berlim? A desintegração da URSS? Quem poderia acreditar nesses desideratos históricos de tamanha amplitude e significado para a humanidade?É por isso que pergunto: por que ser tão incrédulo quanto à possibilidade de uma “propalada intervenção humanitária, apoiada no dever de ingerência, invocado para o bem da humanidade, em uma área que, para a comunidade internacional, não pertence apenas aos brasileiros? Para finalizar, desejo deixar mais um último questionamento: – “Se a Argentina dispusesse apenas de um único artefato, teria o seu oponente deslocado toda uma armada para o bloqueio das Ilhas Malvinas?

Não admitir limitações à soberania da Pátria, permitir e dar condições para que, na terra brasileira, possa viver um povo altivo e orgulhoso, temido na guerra e, sobretudo, respeitado na paz, foi por isto que lutaram nossos bravos “pracinhas”, liderados por uma oficialidade desassombrada. Este foi o farol indicado pela FEBe é isso que nós “veteranos” almejamos seja mantido como ideal para as gerações vindouras!

General-de-Exército Reformado Paulo Campos Paiva
(falecido em 05 de agosto de 2005)

COMENTÁRIO

Este artigo constitui uma das poucas publicações na imprensa, de autoria de meu pai, um pouco antes do seu falecimento ocorrido no ano de 2005. Sua “Mensagem Final”, de visão, tirocínio e percepção, tanto estratégica como geopolítica, de oficial-general “que sabia das coisas”, bem que poderia estar na mesa de cabeceira de tantos quantos, militares e civis que, nos dias de hoje, estão integrando a atual governança, em particular e principalmente daqueles que exercem cargos e funções, tanto no Ministério da Defesa como no das Relações Exteriores.
Esta remessa constitui a última das duas com publicações do general, posto que a primeira já foi remetida, não se tendo notícia de outra divulgação de artigo/matéria do autor, que já se foi …

PRRPAIVA

CEL INF E EM
Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

Mais acessados da semana

To Top