fbpx
Colaboradores - artigos, estudos, reportagens

“Guerra irrestrita”, o Mein Kampf do Partido Comunista Chinês

Artigo de Colaborador / No atual bombardeio de informações e desinformações que nos atinge é quase impossível manter a mesma opinião por mais de três minutos. Mas uma coisa é certa. A História é uma ciência que tem muitos pontos cegos, portanto só pode ser bem analisada em retrospectiva. É temerário pintar um quadro exato da paisagem enquanto o trem está em movimento.
.
Há quem diga que o flagelo nacional-socialista alemão fora todo ele previsto no libelo autobiográfico de Adolf Hitler, o livro “Mein Kampf”. É verdade. Descontados os paroxismos de ódio e os delírios megalomaníacos, está tudo lá. As anexações; o Lebensraum (espaço vital); o holocausto judeu. Um ideário torpe, ainda em embrião, mas que se concretizou da forma mais macabra possível.
.
Falando em livros proféticos… há um escrito em 1999 por dois coronéis do Exército chinês, (Qiao Liang e Wang Xiangsui) que parece se enquadrar nessa categoria.

É sabido que a China está em guerra comercial com os EUA. Isso não prova definitivamente que haja uma escalada desse novo tipo de violência, isto é, não se pode provar que o PCC declarou guerra ao mundo livre. Mas, se a nação mais rica do planeta está sendo atacada, é inquestionável que isso venha a afetar pelo menos grande parte do ocidente. O ato falho nesse raciocínio, e aí entra a “Guerra Irrestrita”, é achar que uma guerra hoje em dia seria conduzida nos moldes convencionais. Uma guerra comercial pode não ser noticiada pela mídia nos primeiros meses de “embate” entre os envolvidos. Estes, por sua vez, não são tão facilmente nomeáveis. Os tratados de comum acordo, as áreas de livre comércio, as uniões geopolíticas locais transformam o tabuleiro da guerra “normal” numa gigantesca estrutura feita de dominós, frágeis e prontos a cair ao menor aumento do barril de petróleo.

E quem pode afirmar que uma suposta guerra comercial não seria apenas uma frente isolada num teatro de operações muito, mas muito mais vasto e surpreendente?

Eis algumas “profecias” da “Guerra irrestrita”:

“(…) a guerra renascerá sob outro formato (…) tornando-se um instrumento de enorme poder nas mãos dos que nutrem a intenção de controlar outros países e regiões.”

“(…) enquanto presenciamos uma relativa redução na violência militar, estamos evidenciando, definitivamente, um aumento na violência política, econômica e tecnológica.”

“Desta forma, a indução de um colapso de um mercado acionário, a contaminação de uma rede de computadores por um vírus, um rumor ou escândalo que resulte na flutuação do câmbio ou, a exposição comprometedora de líderes de um país, constituem ações que podem ser enquadradas como “armas neoconcepcionais.”
.
“(…) tem havido o desenvolvimento de meios para atacar direta e especificamente um centro nervoso de um inimigo, sem danificar as áreas circundantes. Desta forma têm-se novas opções para obtenção da vitória, gerando a crença de que a melhor forma de se obter a vitória é através de um maior exercício de controle e não através da imposição da morte.”
.
“Até mesmo o último refúgio da raça humana — o mundo interior do ser humano — não está livre dos ataques da guerra psicológica.”

O que estamos vivendo neste 2020, se não uma guerra psicológica!?

E aqui um aviso temporão aos nossos comandantes militares sobre recursos materiais e humanos:

“(…) algumas nações com visão prospectiva, ao invés de única e simplesmente priorizarem os cortes de efetivos, estão enfatizando: a elevação da qualificação técnica do seu pessoal; o incremento do nível de tecnologia avançada e semi-avançada incorporada ao seu armamento; e a atualização do pensamento militar e doutrinário.”

Bem, aqui parece que o Brasil está na crista da onda, mesmo que involuntariamente, já que a evasão causada pelo achatamento dos salários iniciada nos anos noventa da década passada e levada adiante pelo atual governo, diminuiu bastante os efetivos militares.

O PCC está deixando o mundo de joelhos. Há os que se recusam a ver isso. Há as mídias literalmente compradas pelo Partido que se recusam a noticiar isso. Mascaradas e papagaiando estatísticas suspeitas, aterrorizam-nos diuturnamente com a “guerra contra o vírus”. Lembram-se da “guerra contra o terror” dos anos 2000? Aonde aquilo nos levou!? Isso, ao Iraque. Mesma tática, diferentes atores.

Sobre isso, o que diz a “Guerra irrestrita”:

“Poderia a compra ou obtenção do controle de ações ser usada para transformar os jornais e as cadeias de televisão de uma outra nação como instrumentos de uma guerra da mídia?”

E para os românticos aficcionados da guerra tradicional, homem a homem, o Ministro da Guerra francês na primeira grande guerra Georges Clemenceau, no início do século XX, declarou que “a guerra é um assunto muito sério para ser deixado a cargo dos generais”. Citado pelos coronéis chineses: “uma coisa é certa: os militares não detêm mais o monopólio da prática da guerra.”

Para os que dão um risinho superior e debocham quando alguém usa o termo “comunismo”, eis um aviso que deveria estar nos manuais das academias militares (ops, esqueci-me de que a pedagogia militar positivista é superior às ideologias!!):

“(…) Os legislativos de nações que adotam o modelo representativo de governo não podem evitar o envolvimento por parte dos grupos de “lobby”.

Enfim, o livro é um áugure moderno do que ocorre hoje, diante dos nossos olhos.

Só não ver quem não quer.

JB Reis – suboficial da FAB. Publicado em Revista Sociedade Militar

Click to comment

You must be logged in to post a comment Login

Leave a Reply

Mais acessados da semana

To Top